Justiça liberta novamente homem flagrado com fuzil AR-15 em Florianópolis

0
699
Flagrante com o fuzil foi dia 20, quando ele foi solto e preso novamente

Foi solto, novamente, no final da tarde desta terça-feira (29), Elian Lucas Ferreira Dias, 20 anos, preso em flagrante pela Polícia Militar com um fuzil AR-15 e 30 munições no Monte Verde, em Florianópolis, dia 20.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio Noronha, concedeu liminar em recurso impetrado pelos advogados Wilian Shinzato e Marina Bruno. Na decisão ele revogou a liminar da desembargadora Bettina Moura, do Tribunal de Justiça, que acatou manifestação do Ministério Público e mandou prender o rapaz.

Em sua decisão, o presidente do STJ entendeu que o mandado de segurança concedido pela desembargadora Bettina Maria Moura não era remédio jurídico para suspender a primeira decisão. Assim, concedeu liminar em habeas corpus requerido pelos advogados.

O caso virou polêmica porque quando foi preso pela primeira vez, Dias foi solto em menos de 12 horas em decisão da juíza Ana Luiza Schmidt Ramos, na audiência de Custódia. Sem passagens e réu primário ele vai responder em liberdade pelo porte de arma de uso restrito.

A íntegra da decisão do ministro:

“Trata-se de habeas corpus substitutivo de recurso próprio com pedido de liminar impetrado em favor de Elian Lucas Ferreira Dias, contra ato do Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

O paciente foi preso em 19/1/2019, pela suposta prática do crime previsto no art. 16 da Lei n. 10.826/03.

Homologado o flagrante, o Juízo de origem concedeu liberdade provisória mediante fixação de medidas cautelares diversas da prisão.

Irresignado, o parquet interpôs recurso em sentido estrito, pleiteando o restabelecimento da prisão cautelar do paciente. Posteriormente, ajuizou ação cautelar no Tribunal de Justiça de Santa Catarina, visando a obtenção de efeito suspensivo ao RESE, tendo sido deferido pela desembargadora plantonista pedido liminar nesse sentido.

Requer o impetrante a concessão de medida liminar para suspender a decisão monocrática impugnada.

É o relatório. Decido.

Conforme orientação jurisprudencial do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, é inadequada a impetração de habeas corpus em substituição a recurso próprio, ressalvando-se casos de flagrante ilegalidade em que seja recomendável conceder, de ofício, a ordem (HC n. 472.649/RS, relator Ministro Reynaldo Soares da Fonseca, Quinta Turma, DJe de 26/10/2018; AgRg no HC n. 436.958/PR, relator Ministro Sebastião Reis Júnior, Sexta Turma, DJe de 27/3/2018; HC n. 467.738/RJ, relator Ministro Felix Fischer, Quinta Turma, DJe de 26/10/2018).

No caso, observa-se que estão preenchidos os requisitos para a concessão da liminar pleiteada, pois esta Corte Superior já pacificou entendimento no sentido de não ser possível a impetração de mandado de segurança para atribuir efeito suspensivo a recurso criminal interposto pelo Ministério Público, conforme Súmula n. 604/STJ.

No mesmo sentido, já decidiu a Quinta Turma do STJ:

PROCESSO PENAL. HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO PRÓPRIO. INADEQUAÇÃO. CAUTELAR INOMINADA. EFEITO SUSPENSIVO A RECURSO EM SENTIDO ESTRITO. NÃO CABIMENTO. WRIT NÃO CONHECIDO. ORDEM CONCEDIDA, DE OFÍCIO.

Esta Corte e o Supremo Tribunal Federal pacificaram orientação no sentido de que não cabe habeas corpus substitutivo do recurso legalmente previsto para a hipótese, impondo-se o não conhecimento da impetração, salvo quando constatada a existência de flagrante ilegalidade no ato judicial impugnado. Não é cabível a impetração de mandado de segurança para atribuir efeito suspensivo a recurso criminal interposto pelo Ministério Público, nos termos do Enunciado da Súmula 604/STJ. As Turmas que compõem a 3a Seção deste Tribunal têm decidido pela legalidade da prisão decretada em sede de antecipação de tutela recursal, quando o pedido é formulado nos autos do próprio Recurso em Sentido Estrito. In casu, o pedido de antecipação de tutela recursal não foi requerido nos próprios autos do Recurso em Sentido Estrito. Daí a flagrante ilegalidade, eis que fora ajuizada ação própria visando à atribuição de efeito suspensivo a recurso criminal interposto pelo Ministério Público, o que vai de encontro ao disposto na Súmula 604 desta Corte. Habeas corpus não conhecido. Ordem concedida, de ofício, para cassar o acórdão proferido nos autos da Medida Cautelar Inominada n.

2224365-13.2017.8.26.0000, que antecipou os efeitos da tutela pretendida no Recurso em Sentido Estrito interposto pelo Ministério público. (HC n. 427.899/SP, relator Ministro Ribeiro Dantas, Quinta Turma, DJe de 19/12/2018.)

In casu, o pedido de antecipação de tutela recursal não foi requerido nos próprios autos do recurso em sentido estrito, mas em ação própria destinada à atribuição de efeito suspensivo ao aludido recurso criminal, o que vai de encontro ao verbete sumular acima mencionado, advindo daí a flagrante ilegalidade a ser remediada por esta Corte.

Ante o exposto, defiro o pedido de liminar para suspender a decisão monocrática impugnada.

Comunique-se com urgência ao Juízo de primeira instância e ao Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina.

Solicitem-se informações ao tribunal, que deverão ser prestadas preferencialmente por malote digital e com senha de acesso para consulta ao processo.

Após, dê-se vista ao Ministério Público Federal. Publique-se. Intimem-se.

Brasília, 29 de janeiro de 2019.

MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA Presidente”

 

LEIA MAIS SOBRE O ASSUNTO:

Tá de brincadeira?? Justiça manda PM prender novamente o cara do fuzil AR-15

Homem preso com fuzil na Capital é solto em menos de 12 horas

Deixe uma resposta

Faça um comentário:
Digite o seu nome