Fone: (48) 3733-6977 | redacaofloripa@jornalinforme.com.br

 

07/11/2018 18:21

Pesquisa avalia alternativas para exploração do turismo em Florianópolis

por
45 acessos
DIVULGAÇÃO Estudo foi produzido no Programa de Pós-graduação em Turismo e Hotelaria da Univali Estudo foi produzido no Programa de Pós-graduação em Turismo e Hotelaria da Univali

Estudo sobre a exploração da economia criativa em destinos turísticos, de autoria de Renato Büchelle Rodrigues, professor, pesquisador e diretor dos campi da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), na Grande Florianópolis, propõe um modelo de análise das dimensões que envolvem a economia criativa em destinos turísticos e compara sua aplicabilidade na cidade portuguesa de Porto e em Florianópolis. O trabalho contou com o apoio da Universidade do Porto, de Portugal.

As dimensões propostas pelo pesquisador abordam políticas e mapas, competências e infraestrutura, empresários criativos e redes, liderança e relações culturais, plataformas de informação e governança e políticas públicas.

O levantamento demonstra que a cidade portuguesa encontra-se em estágio mais avançado na incorporação das dimensões da economia criativa. Além disso, a cidade possui 55% das iniciativas no setor privado. Em Florianópolis são 50%.

No trabalho, a incorporação da economia criativa nas políticas públicas dos destinos turísticos como estratégia de diferenciação e sensibilização para criação de novos produtos e serviços e o desenvolvimento de programas de mobilidade integrados, infraestrutura interligada, equipamentos turísticos colaborativos e sistemas de difusão do conhecimento conectadas estão relacionados com a dimensão que avalia políticas e mapas.

Nela, Porto aparece melhor do que Florianópolis. No modelo criado, a Capital catarinense leva vantagem na dimensão que avalia competências e infraestrutura. Segundo o estudo, Florianópolis destaca-se, também, nas plataformas de informação.

Na dimensão de governança e políticas públicas, Porto está um pouco abaixo, mas muito próximo de Florianópolis. O pesquisador indica que, nas duas cidades, as plataformas de informação e a governança e políticas públicas consideram o uso de tecnologias otimizadas, amigáveis e com boa conectividade, que geram experiências escaláveis e de boa projeção na promoção e comunicação do destino turístico.

Além disso, considera-se a integração das instituições e estruturas com objetivos comuns e voltados para a movimentação do setor econômico em elevação. Na dimensão que considera liderança e relações culturais, Porto dispara na frente.

Há um equilíbrio, no entanto, na criação de programas de redes de cooperação baseadas em desenvolvimento das habilidades e competências dos destinos, de acordo com a vocação regional de cada um, com foco na liderança, proatividade, boa governança e no acompanhamento do planejamento da imagem do destino turístico que alinha um plano de comunicação integrada e a identidade com geração de valor criativo e cultural. O campo está relacionado com a dimensão de empresários criativos e redes. Nele, as duas cidades aparecem no mesmo nível.

Como destinos turísticos Porto está pouco melhor classificada do que Florianópolis. Renato considera a consolidação das cidades ocorre por meio da priorização da identidade sociocultural, respeito a geografia e ao território. Há, ainda, o aspecto psicológico da comunidade orientada para as ações da economia criativa: "Uma Indústria Criativa robusta e diversificada promove a expansão do turismo e o surgimento do turismo criativo", indica o pesquisador.

Capacitação para a área

A Economia Criativa é baseada na criatividade individual, habilidade e talento e as empresas criativas são catalisadoras de riqueza e criação de empregos desenvolvendo, economicamente, assim, as pessoas, as sociedades, os lugares e os destinos turísticos.

Os componentes da economia criativa incluem indústrias de diferentes setores como publicidade, arquitetura, arte, artesanato, design, moda, cinema, música, artes cênicas, publicação, pesquisa e desenvolvimento, software, brinquedos e jogos, entretenimento, televisão, turismo, rádio e videogames.

Desde 2008 a Univali atua, em Florianópolis, na capacitação de profissionais especializados para movimentar a economia criativa. Na Unidade de Ensino, instalada às margens da Rodovia SC 401, no bairro Saco Grande, na Capital catarinense,  são oferecidos os cursos de Arquitetura e Urbanismo, Design de Jogos e Entretenimento Digital, Design de Interiores, Design Gráfico, Fotografia, Marketing, Publicidade e Propaganda e Relações Públicas, além de Administração, Direito, Estética e Cosmética, Gestão Comercial, Gestão em Recursos Humanos, Gestão Financeira, Gestão Pública, Pedagogia, Processos Escolares, Processos Gerenciais e disciplinas do Mestrado em Computação Aplicada e do Mestrado e Doutorado em Administração.

No Campus, salas de aula, biblioteca e laboratórios oferecem estrutura para que os professores das disciplinas práticas possam incluir, como estratégia de ensino, o atendimento da comunidade.

No local estão disponíveis estúdio fotográfico e laboratórios de informática, além do laboratório de Cosmetologia e Estética, que inclui salão de beleza, sala de estética facial e corporal, sala de estética dos anexos cutâneos e sala de esterilização.

"A Univali move-se pelo ideal de promover uma sociedade melhor em todos os aspectos, do econômico ao cultural. E ela pode, e deve, ser útil ofertando ensino com excelência, fazendo pesquisa de ponta e aprofundando sua presença comunitária nos programas e projetos de extensão", aponta Carlos Alberto Tomelin, vice-reitor de Graduação e Desenvolvimento Institucional da Univali.

Ele diz que o foco e missão da Universidade é ser uma instituição transformadora para os indivíduos e para a sociedade: "Para isso, ela precisa compreender o mundo à sua volta para poder distinguir o sentido das mudanças e o surgimento das novas necessidades. Ao mesmo tempo, precisa ela própria adaptar-se aos novos cenários. A universidade tem de ter esse frescor em todos os seus processos", resume.

Ele lembra que, alinhados ao movimento, nos campi da Instituição em São José, Biguaçu e Tijucas, também na Grande Florianópolis, são oferecidos, ainda, os cursos de Ciência da Computação, Ciências Contábeis, Educação Física, Engenharia Civil, Engenharia de Controle e Automação e Engenharia Química.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK: INFORME FLORIPA

Adriano Ribeiro

Adriano Ribeiro é colunista do Informe e traz informações sobre os bastidores da política e cotidiano de Caçador e Floripa/São José.
Fones: Caçador (49) 8843-4213 - Florianópolis (48) 9922-8133

E-mail: redacaofloripa@jornalinforme.com.br

Twitter: @adrianoinforme

E-mail Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

O Jornal Informe é uma rede de jornais de circulação em Caçador (sede) e Florianópolis 

Editor: Adriano Ribeiro
Telefone: (48) 3733-6977
Plantão: (48) 9922-8133
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.