Fone: (48) 3733-6977 | redacaofloripa@jornalinforme.com.br

 

Darilson Barbosa

Darilson Barbosa

Repórter do Jornal Informe

A I Semana de Alimentação Saudável realizou na manhã deste sábado (21),no Largo da Catedral Metropolitana de Florianópolis, uma roda de conversa com o vereador e organizador da semana, Marcos José de Abreu (PSOL) e Francisca Dausser, engenheira agrônoma e representante da Secretaria de Promoção e Vigilância da Saúde sobre a Política Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica no município de Florianópolis.

Na oportunidade os palestrantes falaram sobre as principais iniciativas que estão sendo implementadas no município de Florianópolis na área da Agricultura Familiar e Urbana, como o Programa Municipal de Agricultura Urbana, realização de hortas em espaços como Postos de Saúde municipais e espaços habitacionais. Também elaboração de políticas públicas agroecológicas e outras ações como a fomentação da Nova Ruralidade no município.  

Francisca Dausser, engenheira agrônoma, representante da Secretaria de Promoção e Vigilância da Saúde de Florianópolis, falou sobre a consolidação das políticas públicas e das hortas urbanas implementadas do município. “É uma satisfação participar desse encontro. O Programa Municipal de Agricultura Urbana foi sancionado no dia 5 de julho de 2017. O programa é gerido pela Floram, Comcap, Secretária de Saúde, Secretaria de Agricultura”.

“O programa está evoluindo bem. Vamos continuar nesta caminhada de conscientização sobre práticas agroecológicas e alimentares salutares. Também incentivar a criação de hortas urbanas. Hoje temos hortas nos Postos de Saúde da Prainha, Agronômica e Itacorubi. Para que as ações aconteçam é importante o diálogo. A semana está cumprindo o seu papel de estabelecer um elo com a sociedade civil”, complementou.

Marcos José de Abreu (PSOL), vereador e organizador da Semana de Alimentação Saudável, falou sobre as ações legislativas que estão sendo implementadas em Florianópolis no campo da Agroecologia. “Nosso mandado elaborou o projeto de lei, que está tramitando na Câmara, que consolida a Política Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica de Florianópolis, em consonância com o Política Nacional de Agroecologia”.

“Nosso mandado tem a preocupação e objetivo de incluir as ações comunitárias agroecológicas no orçamento do município. Precisamos incentivar financeiramente os produtores e feirantes nas suas práticas agrícolas e agroecológicas. Também falando com a comissão que está realizando o Censo Agropecuário 2017 em Florianópolis. Pensamos no futuro do município realizando ações visando a qualidade de vida e bem estar”, complementou

Hortas Urbanas

Após a explanação do vereador Marcos José de Abreu e da engenheira agrônoma Francisca Daussy, a organização da I Semana de Alimentação Saudável abriu espaço para que os participantes da roda  de conversa pudessem contribuir no diálogo sobre a consolidação de políticas públicas agroecológicas. Uma participante disse que a criação de hortas urbanas deve ser estimuladas em espaços públicos e em áreas de habitação particular por meio de incentivos, debates e políticas públicas.

Também por meio de incentivos fiscais e tributários, como a elaboração de um IPTU Verde em Florianópolis, para as pessoas que possuem hortas domésticas. Outra participante ressaltou que preferia utilizar parte dos recursos que ela paga na coleta de resíduos sólidos para investir em hortas domésticas, como ela já faz, enfatizando que muitas ações podem ser realizadas no âmbito das políticas públicas voltadas para agroecologia e compostagem.

Novo Ruralidade

Outro  tema interessante que surgiu após a explanação dos palestrantes foi sobre a Nova Ruralidade, que envolve pessoas que não tem uma origem e ligação com espaços que são predominantemente rurais, como alguns municípios catarinenses, mas realiza práticas agronômicas e agroecológicas, como a criação de hortas e feitura de compostagem em municípios que são predominantemente urbanos, como Florianópolis.

O vereador Marcos José de Abreu (PSOL) falou que é um movimento que existe há cerca de quarenta anos. Enfatizou que nesse sentido é preciso instrumentalizar as pessoas e comunidades, como acesso a kits de agricultura, compostagem e adubação, além de fomentar políticas públicas e incentivar ações comunitárias coletivas, como a instalação de hortas em diversos espaços do município e realização de feiras agroecológicas.

 

A Liga de Estudo em Quadrinhos da Universidade Federal de Santa Catarina realizou na noite desta sexta-feira (20), das 18h às 22h, o minicurso Protagonismo Feminino nos Quadrinhos, na sala 125 do Centro de Comunicação e Expressão.O minicurso foi ministrado pelas professoras Alexandra Presser, Isis Miura, Lara Bet Meneghel, Milena Bueno. O mini curso integra as atividades da 16ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC, que está sendo realizada de 19 a 21 de outubro em todos os campi da UFSC.

O minicurso Protagonismo das Mulheres nos Quadrinhos teve como objetivo discutir a posição e representação da mulher como personagem central e seu papel no universo dos quadrinhos. Também falou sobre o universo dos animes e mangás, a história da elaboração das narrativas e a saga dos seus principais personagens, como no anime de Allan Moore, Halla Jones ou Persepolis, um anime autobiográfico escrito e desenhado pela iraniana Marjan Satrapi, que narra situações vivenciadas no seu país de origem, o Irã.

As ministrantes  também  apresentaram e falaram sobre a roteirista Gail Simone, que criou a famosa personagem Mulher Maravilha. As palestrantes ressaltaram que as personagens de Simone são mulheres fortes e decididas. Alison Bechedel foi outra roteirista debatida  pelas palestrantes. Em seguida entrou-se num debate sobre Mulheres na Geladeira, que falou sobre a secundarização e depreciação de algumas personagens femininas, como a criação da personagem Bat Girl, feita para dirimir divergências no quadrinho do Batman.

Dicas de Quadrinhos

Em seguida as ministrantes apresentaram dicas de quadrinhos e se aprofundaram na discussão em torno de algumas sagas e personagens femininas representativas, como Motor Crush, uma personagem feminina não estereotipa que vive uma singular saga pessoal. As ministrantes também conversaram sobre revistas que podem ser acessadas pela Internet, como as Empoderadas, Point of View e A fantástica Aventura de ser Mulher. As ministrantes também falaram de animes e desenhos e produções que elas estão sendo feitas e que serão lançadas no final deste semestre acadêmico. 

Mulheres e Quadrinhos

Alice Grossemann Mattosinho, palestrante convidada do mini curso, falou sobre a importância de produzir desenhos animados e quadrinhos. “Eu tenho uma ligação com a arte de oito anos. No universo dos quadrinhos a ligação e de dois anos. A realização do mini curso na UFSC e importante porque torna possibilita as pessoas se aproximarem e aprofundarem em assuntos do seu gosto e  interessante .As Artes como os quadrinhos e desenhos tem um papel importante na sociedade. É uma questão de identidade cultural. E produzir algo que envolve história e ficção com competência e criatividade”.

”A Arte como forma de expressão nos quadrinhos mexe com as emoções das pessoas de todas as idades e classes econômicas. Muitas vezes as Artes são a única forma de comunicar uma mensagem para as pessoas que não tem acessibilidade ao conteúdo de bons livros. Nesse sentidos os quadrinhos e desenhos animados provocam uma empatia com o público, que se identifica com a saga dos personagens, sua personalidade e valores. Mulheres que são representadas de formas não estereotipadas e pejorativas podem inspirar e motivar muitas mulheres e meninas a se tornarem confiantes e empoderadas”, complementou.

A Universidade Federal de Santa Catarina realizou na tarde desta sexta-feira (18), das 14h às 15h30, no Auditório da Reitoria, a palestra Matemática na Natureza, ministrada pela professora Carolina de Araújo, do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa). A universidade também está realizando entre os dias 16 a 21 de outubro, no Salão da Reitoria, a exposição artística Elas, expressões de matemáticas brasileiras. Os dois eventos também promovem o perfil de oito pesquisadoras brasileiras que atuam na Matemática. A professora Carolina de Araújo recebeu o prêmio Loreal para Mulheres na Ciência em 2008.

Na explanação, a professora Carolina de Araújo falou sobre áreas do conhecimento que a Matemática está presente, como nas escolas, institutos de pesquisa, indústrias, computação gráfica, institutos e universidades. “As revoluções acontecem o tempo todo na Matemática. Novas teorias estão sendo lançadas constantemente. Recentemente um professor de Matemática, Artur Ávila, ganhou a medalha Fields. O estudo da Matemática se faz presente de muitas formas na natureza, como pelo estudo de fractais, teoria dos números primos e teoria dos jogos e razão áurea”.

Código de Fibonacci

Sobre o  Código de Fibonacci, presente no filme e também em pesquisas realizadas por Leonardo da Vinci, no século XVI, a professora disse que é um código que é utilizado na Matemática de diferentes formas. “A utilização da Sequência de Fibonacci está presente no forma das Galáxias, no número de pétalas das flores. É uma sequência muito utilizada na Matemática. O Código também é utilizado na ciência da computação em aplicações e análise nos mercados financeiros e na teoria dos jogos. A espiral de Fibonacci é utilizada no estudo de tornados, furacões e formação das galáxias”.  

Sustentabilidade

Sobre Sustentabilidade a professora ressaltou  que a Matemática está presente em projetos científicos, socioeconômicos e ambientais que tem como objetivo elaborar modelos científicos que mostrem soluções para questões ambientais e outros problemas. “Muitos sistemas eletrônicos e de computação gráfica utilizam conceitos matemáticos para fazer uma análise de impactos e riscos ambientais. A Matemática também auxilia na modelação de redes, como as de energia. Os sistemas de computação gráfica também são muito utilizados na Climatologia e Previsão Tempo”.

Educação na Matemática

Sobre a Educação, a professora Caroline Araújo ressaltou que muito pode ser feito no ensino de Matemática nas escolas, como atualização do conteúdo dos livros didáticos. “O ensino e aprendizado de Matemática passam por graves dificuldades no Brasil. É preciso reverter esse quadro no ensino brasileiro, lançando livros e textos contemporâneos e próprios para o ensino didático da Matemática, embasados em problemas concretos e ferramentas de solução. O ensino não pode ser um cardápio de fórmulas. A  maior batalha é a valorização dos professores como profissionais”.

 

A Universidade Federal de Santa Catarina realizou na manhã desta quinta-feira (19) o início das atividades da 16ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão, a Sepex, que acontece de 19 a 21 de outubro, nos cinco campi e na Praça da Cidadania da UFSC. Nestes três dias de atividades serão apresentados à comunidade cerca de 130 projetos de pesquisa, extensão e ensino. Um diferencial da semana são os 150 minicursos ministrados gratuitamente à comunidade, que acontecem em diversos espaços da UFSC. A Sepex se consolida como  maior mostra científica catarinense por meio da amplitude das suas atividades.  

Rogério Cid Bastos, pró reitor de Ensino e Extensão da UFSC, iniciou as atividades da 16ª Sepex e destacou que a semana é fruto de uma atuação conjunta. “A Semana de Pesquisa Ensino e Extensão é o momento de mostrar à comunidade as ações de pesquisa, ensino e extensão que estão sendo realizadas por meio da UFSC. É um momento importante pois a semana congrega muitas atividades que estão sendo implementadas. A UFSC prepara uma geração futura e permite aos visitante a possibilidade de criar sonhos e perspectivas. Os 5 campi da UFSC estão realizando atividades ligadas a 16ª Sepex”.

Sebastião Roberto Soares, pró-reitor de Pesquisa da UFSC fez um discurso relembrando a realização e importância das primeiras semanas de Ensino, Pesquisa e Extensão realizadas pela UFSC.  “Esta é a 16ª Sepex, apenas em um ano não foi realizada a semana, que é uma breve prestação de contas de tudo que a UFSC realiza. É um grande momento da universidade. Queremos que os jovens busquem graduar-se na UFSC. Gostaríamos de agradecer todos acadêmicos e as pessoas que dedicaram em montar a infraestrutura para a realização das atividades da Sepex, nesse momento tão delicado e dolorido da UFSC”.

Tereza Cristina Rozone de Souza, pró reitora de Graduação da UFSC ressaltou que a semana é evento científico importante a nível internacional. “Bom dia a todos. É um prazer poder participar da abertura da 16ª Sepex, a Semana de Ensino, Pesquisa e Graduação da UFSC. É um momento importante para universidade, porque as ações e atividades da semana envolvem a comunidade civil e acadêmica. São mais de 150 estantes dialogando sobre muitos assuntos. Os minicursos são oferecidos à comunidade civil e acadêmica de forma totalmente gratuita. Muito obrigado a todos”.

Alacoque Lorenzini Erdmann, reitora em exercício da UFSC, ressaltou que a missão da UFSC é produzir conhecimento. “Bom dia a todos e todas. É com muita honra e satisfação que declaramos aberta a 16ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC. O evento promove a visitação da feira científica para que possamos mostrar para a sociedade o que caracteriza uma universidade que desenvolve pesquisa científica e acadêmica em prol do desenvolvimento humano, socioeconômico, cultural e fortalecimento de estratégias que possam reverter em melhor qualidade de vida e avanços políticos e sociais na sociedade”.

“É um momento para UFSC apresentar sua produção científica e atividades de extensão integradas como setor produtivo, com as comunidades e com os diversos segmentos sociais, para qual se caracteriza como oportunidade ímpar fortalecer relação com a sociedade civil. Desejamos a todos que desfrutem desta semana com reconhecimento e plenitude. Que a presença da comunidade traga muitas contribuições às pessoas que estão apresentando as suas produções, fazendo assim  uma interlocução importante para o nosso crescimento. Desejamos a todos uma semana proveitosa e que realmente consolide o que é de melhor dentro  da UFSC. O nosso muito obrigado”, complementou.

Projetos

Aderlan Andrin, bolsista do Laboratório de Comercialização da Agricultura Familiar  acadêmico de Agronomia da UFSC ressalta que a Sepex é um espaço importante para divulgar ações, atividadess e projetos de extensão da UFSC. “Estamos participando no estande de meio ambiente. Contamos com o apoio institucional da Epagri e Cepagro. O Lacaf desenvolve muitas ações na área da Educação por meio de projetos de extensão. A Sepex é importante para divulgarmos nossos projetos e atividades. A Sepex desperta o interesse das pessoas em muitas áreas do conhecimento. Venham visitar a 16ª Sepex”.

Fernando Soares de Jesus, bolsista do projeto de extensão Astronomia e Física vão à Escola e  à Comunidade e acadêmico do curso de Geografia da UFSC comenta que um espaço estratégico na divulgação do conhecimento. “Nosso estande é sobre o projeto de extensão Astronomia e Física vão à Escola e à Comunidade, que consiste numa exposição itinerante e interativa de Astronomia e Física que circula nas escolas de Florianópolis e em espaços sócio-comunitários do município. A 16ª Sepex é um momento de muitos jovens entrarem em contato com as ações, pesquisas e projetos de extensão da UFSC”.

Sepex

A primeira edição da Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC foi organizada em novembro de 2000, no âmbito das comemorações dos 40 anos da universidade. A partir de 2007 o evento, passou a ser realizado todos os anos, englobando outras ações, como, feiras de livros, exibições artísticas e culturais, minicursos, debates e outras atividades.

A 16ª Sepex vai ser realizada de 19 a 21 de outubro. Alguns minicursos estão com vagas abertas, para ver quais ainda há disponibilidade basta acessar o site da Sepex e averiguar a disponibilidade. A feira científica da UFSC acontece simultaneamente nos campi de Araranguá, Blumenau, Curitibanos, Joinville e Florianópolis.

O Conselho de Desenvolvimento do Centro (Codecen) realizou na noite desta quarta-feira (18) uma reunião no Núcleo de Educação Infantil João Machado da Silva, a 12ª reunião ordinária do conselho. Na reunião foram debatidas as principais demandas das comunidades Nova Trento, Morro do 25 e Nova Trento, com a presença das lideranças

Participaram da mesa de debates o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (PMDB); o secretário municipal de Educação Maurício Pereira; o secretário municipal de Saúde, Carlos Alberto Justo da Silva; o secretário municipal de Transporte e Mobilidade Urbana, Marcelo Roberto da Silva e o secretário municipal de Infraestrutura, Roberto Garcia.

 Também participaram da reunião Milton Weber Filho, superintendente das Relações Comunitárias, Lucas de Arruda, superintendente de Habitação e Saneamento; o presidente da Casan, Valter José Gallina, o presidente da Comcap, Carlos Alberto Martins; o gerente da Celesc, Luís Facco e o diretor da Cosip, Waldyvio da Costa Paixão Júnior.

Diferente de outras reuniões ordinárias do Codecen, que acontecem na terceira quarta-feira de cada mês, não houve aprovação de ata, encaminhamentos de ofícios e espaço para a fala das entidades associadas. No entanto houve a filiação de duas novas entidades, o  Núcleo de Educação Infantil João Machado da Silva e Associação Nipo Brasileira.

Milton Weber Filho, superintendente das Relações Comunitárias, iniciou o debate explicando o papel estratégico dos Conselhos de Desenvolvimento. “O Codecen é uma iniciativa da sociedade em conjunto  da comunidade e entidades. As reuniões são planejadas para atender e angariar as demandas. Estamos obtendo resultados profícuos”.

Valter José Gallina, presidente da Casan, assinou junto com o prefeito Gean Loureiro, um termo de cessão de um terreno da Casan localizado na Comunidade Nova Trento. “A comunidade organizada pode obter muitos benefícios. Em reunião  com o Conselho da Casan e decidimos ceder este terreno da Casan para edificação de uma área de lazer”.

Waldyvio da Costa Paixão Júnior, diretor da Cosip, falou sobre a iluminação pública e o projeto Floripa Iluminada. “Florianópolis tem 52 mil pontos de luz. O Floripa Iluminada realizará a troca de 16 mil pontos. Iniciamos no sul da ilha onde a iluminação está mais debilitada. Estamos realizando o projeto de forma planejada, organizada e segura”.

Luis Facco, presidente da Celesc, ressaltou que a distribuição de energia está sendo satisfatória. “Nos preocupamos muito com a boa distribuição de energia nas comunidades. Também para que não haja ligações clandestinas que são um risco para todos os moradores. Vamos mobilizar toda nossa equipe para que não falte energia no Verão”.

Mauricio Pereira, secretário municipal de Educação, falou sobre as demandas educacionais. “Florianópolis possui 115 escolas municipais e 79 núcleos de educação infantil. A rede pública municipal conta com 32 mil alunos. Estamos organizando as demandas para ver a possibilidade de ampliação e construção de novos espaços educacionais no município”.

Lucas de Arruda,  superintendente de Habitação e Saneamento, apresentou um projeto urbanístico para edificação de um parque no terreno cedido pela Casan. “Apresento um projeto piloto para construção de uma espaço de entretenimento no terreno cedido pela Casan, com academia, espaço para bicicletário, É um projeto perfeito para o espaço”.

Roberto Garcia, secretário municipal de Infraestrutura, falou sobre as ações da secretaria. “Estamos estudando a possibilidade de realizar um recapeamento asfáltico completo na rua João Carvalho que hoje não é totalmente asfaltada. Estamos planejando e programando o começo dessas reformas urbanas para o início de 2018”.

Carlos Alberto Justo da Silva, secretário municipal de Saúde, falou sobre as ações implementadas pela secretaria. “Iniciei minha gestão com muitas dificuldades administrativas. No atual momento os esforços estão concentrados em diminuir o tempo de espera no exames. Também implementar os programas Alô Doutor e Alô Saúde”.

Marcelo Roberto da Silva, secretário municipal de Transporte e Mobilidade Urbana, falou sobre a possibilidade de fazer ajuste em algumas linhas e itinerários. “Estamos estudando a viabilidade aumentar a disponibilidade do serviço em horários de maior demanda. Também aperfeiçoar o itinerário para que as pessoas tenham mais facilidade de acessar as linhas”.

Carlos Alberto Martins, presidente da Comcap, disse que em 2018 serão instalados coletores. “A Comcap possui 700 coletores que estão de acordos com os parâmetros nacionais. Vamos começar a instalá-los nas comunidades a partir do próximo ano, já que é preciso fazer uma base de alvenaria padrão para a instalação dos coletores.”

Gean Loureiro, prefeito de Florianópolis enalteceu o papel do Codecen na elaboração de políticas públicas. “Gostaria de parabenizar o Codecen. Este foi o primeiro Núcleo Infantil inaugurado na minha Gestão. Nosso objetivo é mudar a vida das pessoas para melhor. Estamos promovendo  uma grande mudança social e estamos conseguindo. Obrigado”.

As Feiras Agroecológicas no município de Florianópolis foram o tema central de um debate realizado na tarde desta quarta-feira (18), na I Semana de Alimentação Saudável,  que está sendo realizada de 16 a 21 de outubro. Agentes da administração pública, pessoas que militam pela causa e organizações não governamentais falaram sobre a experiência da realização das feiras agroecológicas e também sobre a realização do Censo Agropecuário.

Participaram da roda de conversa, o vereador e organizador, Marcos José de Abreu (PSOL); o superintendente de Pesca, Maricultura e Agricultura, Fábio Brognoli; o gestor de negócios da CDL, Hélio Leite; o coordenador técnico da Comcap, Zenilton Custódio da Silva; a educadora ambiental da Floram, Silvane do Carmo; Leonel de Oliveira, representante do Sítio Agroecológico Florbela e Maria Eduarda, engenheira agrônoma.

Marcos José de Abreu (PSOL) iniciou a roda de conversa ressaltando a importância da realização da Semana de Alimentação Saudável. “Esse é um momento importante para Florianópolis. Devemos realizar políticas públicas e buscar um apoio formalizado para as feiras agroecológicas que acontecem no município. Os feirantes têm muita expectativa. A semana contribui na realização de ações e iniciativas que apoiam a realização das feiras”.

Hélio Leite, gestor de Negócios da CDL, elogiou a realização da Semana no Largo da Catedral. “A realização da semana congrega muitas ações agroecológicas e alimentares. é um símbolo que vai além da conscientização da comunidade. Estimula a sociedade a produzir seus alimentos agroecológicos. Também um estímulo realizar a compostagem e diminuir os rejeitos que são descartados diariamente no município de Florianópolis”.

Leonel de Oliveira, representante do Sítio Agroecológico Florbela falou sobre as atividades implementadas pelo espaço agroecológico localizado no sul da ilha, no Sertão do Peri. “O sítio possui infraestrutura correta para a realização de diversas atividades agroecológicas e educacionais. Há 3 anos somos certificados com o selo Ecoville. É uma experiência muito eficiente no campo da agroecologia. O grande desafio do momento atual é apoiar as feiras”.

Zenilton Custódio da Silva, coordenador técnico da Comcap falou sobre as ações da Comcap no campo da agroecologia. “A Companhia de Melhoramentos da Capital realiza compostagem e também incentiva a comunidade a praticar a agricultura urbana. As feiras são importantes porque é o momento dos produtores e feirantes apresentarem e comercializarem alimentos agroecológicos, produzidos de forma diferenciada e sustentável”.

Silvane do Carmo, educadora ambiental da Floram, fez um discurso falando sobre a importância da realização das feiras. “As feiras agroecológicas e orgânicas são momentos de grande mobilização e conscientização da comunidade para práticas salutares e sustentáveis. Nesse sentido realizamos ações educativas em espaços como escolas, entidades e instituições no sentido de conscientizar e promover a felicidade”.

Fabio Brognoli, superintendente de Pesca, Maricultura e Agricultura, falou sobre ações que podem ser implementadas visando auxiliar a consolidação das feiras agroecológicas. “A agricultura urbana em Florianópolis deve ser debatida e a realização da semana é o momento propício. O município possui diversas ações agroecológicas que estão sendo articuladas por meio de políticas públicas existentes e que estão sendo implementadas.

Francisca Daussy, engenheira agrônoma, também ressaltou que as políticas públicas devem ser articuladas para que as feiras ganham mais notoriedade. “As feiras agroecológicas tem o foco nas práticas salutares e sustentáveis. Devemos fortalecer o diálogo e as políticas públicas na área. Regulamentar as feiras agroecológicas é o caminho eficiente para uma alimentação saudável no município de Florianópolis”.

 

A Câmara Municipal de Vereadores de Florianópolis, realizou na tarde desta quarta-feira (18), uma sessão comemorativa pelo jubileu dos 500 anos da Reforma Protestante, realizada por Martinho Lutero quando apregoou suas 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg em 31 de outubro de 1517. A sessão solene foi presidida pelo vereador e presidente da Câmara, Guilherme Pereira (PR). O secretário de Educação Maurício Pereira, representou o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (PMDB). A homenagem pelos 500 anos da Reforma Protestante foi proposta pelo vereador Renato Geske (PSOL).

O pastor luterano Wanderley Stresser realizou um discurso falando sobre a importância de Martinho Lutero para a consolidação do Mundo Contemporâneo, ressaltando que a Reforma aconteceu num momento mundial importante, como a invenção da Imprensa, por Johann Gutenberg e o início das grandes navegações. “A Reforma Protestante fomentou diversas ações políticas pelo mundo. Seus efeitos para o fenômeno da Globalização não são totalmente mensuráveis. A reforma convocou o ser humano a assumir suas responsabilidades diante do mundo e da humanidade”.

O pastor e professor João Krig ressaltou que ao falarmos da Reforma Protestante buscamos compreender como foi a consolidação dos nossos primórdios. “A época que ocorreu a reforma também é época que o Brasil foi descoberto, que a imprensa de tipos móveis era inventada por Gutemberg. Também o período que iniciou as grandes navegações e o fenômeno da globalização. Esses acontecimentos, juntos com a Reforma Protestante, foram um divisor de águas a nível global. Nesta comemoração do jubileu da Reforma devemos pensar nos grandes acontecimentos que movem a humanidade”.

O vereador Renato Geske (PSOL) ressaltou a importância de realizar a homenagem, enfatizando que sua proposição foi aprovada por unanimidade pelo Plenário da Câmara. “Martinho Lutero foi um homem engajado na sua fé, que encorajado pela ideia do igualitarismo, inspirado na graça de Deus, iniciou a Reforma Protestante no Mundo ao apregoar na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg as suas 95 teses protestantes. Me sinto muito honrado em propor essa homenagem a Martinho Lutero. Obrigado a todos”.

O secretário de Educação, Maurício Pereira, enfatizou a importância das ações de Lutero para o campo da Educação. “É uma honra representar o prefeito num evento de grande relevância para a nossa comunidade. Martinho Lutero foi um estudioso e pensador que valorizava muito a Educação por meio das suas ações e escritos. Ele promovia a alfabetização e letramento de todos. Foi um dos escritores mais lidos da sua época. A homenagem é muito justa. Martinho Lutero é uma figura inspiradora que contribuiu muito para a Educação”.

 

O gabinete do vereador Marcos José de Abreu (PSOL) em conjunto com sua equipe de assessoria parlamentar estão realizando de 16 a 21 de outubro, no Largo da Catedral Metropolitana de Florianópolis, a I Semana de Alimentação Saudável do município. A iniciativa conta com o apoio de diversas entidades municipais ligadas a prática de alimentação saudável, como o Centro Acadêmico do curso de Agronomia da UFSC e a Geodésica O objetivo é conscientizar e estimular a população a adotar práticas agroecológicas salutares, como compostagem comunitária e reciclagem.

Moriel Cabral, geógrafo agroecologista, consultor técnico e assessor parlamentar do vereador Marquito (PSOL) explica o propósito da realização da semana agroecológica. “Queremos estimular com o evento as boas práticas no campo da Agroecologia, como a compostagem comunitária. Nesse sentido temos o projeto de lei 171003/2017 que foi sancionado em março do corrente ano e institui em Florianópolis a Política Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica. O projeto versa sobre a produção orgânica, reciclagem de resíduos orgânicos e segurança alimentar no município de Florianópolis”.

Philipe Bellettini, cozinheiro e ativista do Movimento Convívio Slow Food Mata Atlântica, afirma que a realização da semana é o momento de debater as demandas agroecológicas do município de Florianópolis. “A realização da semana é importante porque discutimos assuntos relevantes sobre questões alimentares, agregando conteúdo sobre a temática. A Convivio Slow Food Mata Atlântica está presente em mais de 150 países. Durante a semana realizará degustação de produtos agroecológicos de forma totalmente gratuita. É o momento de a comunidade interagir com as atividades realizadas pela semana.”.

Coletivo Geodésica Cultural

O Coletivo Geodésica Cultural que forneceu a estrutura física onde acontecem as palestras e debates, realizará rodas de conversa com temas ligados ao desenvolvimento rural, agroecologia, agricultura familiar, produção orgânica, transição agroecológica, compostagem, restaurante popular e demais equipamentos de segurança alimentar e nutricional públicos, legislação e políticas públicas na área, oficinas, cine-debate agroecológico, educação alimentar, direitos humanos e atividades artístico-culturais.

Semana da Alimentação

A  I Semana da Alimentação Saudável segue realizando atividades como oficinas de compostagem, exibição de filmes, palestras e debates. Nesta quarta-feira (18) a I Semana de Alimentação Saudável realiza duas rodas de conversa importantes que dialogam com a temática da semana. A primeira roda de conversa será realizada às 10h com o tema ‘Cultura Alimentar Tradicional - Sabores e Saberes de Floripa. A segunda roda de conversa acontece às 15h com o tema ‘Feiras Agroecológicas de Florianópolis.

 

A acadêmica Karen Alves em conjunto com sua professora orientadora, Ana Paula Grillo Rodrigues, do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas da Udesc, realizaram na tarde desta terça-feira (17), na sala de Conselho Estratégico do Quartel do Comando Geral da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC), no centro  em Florianópolis, uma palestra falando sobre o vínculo institucional dos policiais militares e sobre o Programa Institucional de Reconhecimento e Valorização Técnico-Profissional (Valorem), uma premiação concedida a policiais militares que atuam na corporação catarinense.

Conforme informações da pesquisa acadêmica na categoria comprometimento há uma relação forte entre um indivíduo identificado e envolvido com uma organização. A categoria entrincheiramento reflete a garantia de estabilidade e segurança dentro de uma zona de conforto para o indivíduo dentro da organização. Já consentimento é um vínculo pautado nas relações de subordinação e autoridade legitimada e se caracteriza pela obediência a um superior hierárquico e pelo cumprimento de ordens, regras ou normas estabelecidas pela corporação, no caso especifico a Polícia Militar de Santa Catarina.

Ana Paula Grillo Rodrigues, professora da Udesc iniciou a apresentação da pesquisa acadêmica ressaltando os tipos de vínculos que os policiais possuem com a corporação. “É muito gratificante apresentar a pesquisa sobre o Valorem conjuntamente com a Polícia Militar. O trabalho de conclusão de curso levou em conta três categorias de vínculos organizacionais que os policias criam ao longo da sua carreira na Polícia Militar, que são o comprometimento, consentimento, e entrincheiramento, que abordam o desempenho e identidade dos soldados na corporação”.

Karen Alves, acadêmica da Udesc, apresentou os resultados da pesquisa realizada por meio de questionários, enfatizando o percurso metodológico para alcançar os resultados da pesquisa. “Distribuímos 1064 questionários via e mail. Sendo que 140 foram respondidos pelos policiais militares. Fizemos uma análise por agrupamento conforme o vínculo institucional com a corporação. A pesquisa revelou que a maioria dos policiais militares que responderam ao questionário são altamente comprometidos no exercício da função. Quanto mais elevado o grau de comprometimento maior é o desempenho dos soldados”.

Carlos Alberto de Araujo Gomes Junior, tenente e subcomandante geral da Polícia Militar de Santa Catarina ressaltou que a equipe motivada exerce as atividades com eficácia. “A pesquisa revela muitas situações que observamos no cotidiano. Precisamos buscar mecanismos que estimulem os policiais militares a migrarem das categorias menos engajadas para as categorias mais eficazes conforme a classificação apresentada por meio da pesquisa. O estudo também nos auxilia no planejamento do plano de salários e progressão da carreira dos policiais militares de Santa Catarina”

Valorem

Após a apresentação da pesquisa o subcomandante geral da Polícia Militar de Santa Catarina, coronel Carlos Alberto de Araujo Gomes Junior, cedeu a palavra aos policiais que participaram da reunião fazerem suas observações, posicionamentos e questionamentos sobre a pesquisa e  também sobre o Programa Institucional de Reconhecimento e Valorização Técnico-Profissional (Valorem). Para o subcomandante o Valorem precisa ser reestruturado para ajustar-se a realidade da Polícia Militar. “O Valorem é uma premiação que precisa ser remodelada para se adequar a realidade atual da corporação. Sugiro a criação um grupo de estudo específico com o objetivo de remodelar a premiação”.

Luciana Helena dos Santos, major da Polícia Militar de Santa Catarina e coordenadora estadual do do Programa Institucional de Reconhecimento e Valorização Técnico Profissional (Valorem), enfatizou que alguns ajustes simples podem ser realizados na forma como é promovida a premiação atualmente. “O Valorem é uma premiação que está se aperfeiçoando. É uma premiação que tem como objetivo valorizar a atuação policial e também fortalecer o vínculo institucional com a corporação. A  pesquisa nos auxilia a entender os fenômenos institucionais que acontecem na Polícia Militar de Santa Catarina”.

Operação Veraneio

Após a apresentação e debate sobre os resultados da pesquisa acadêmica, o coronel Carlos Alberto de Araujo Gomes Junior, subcomandante geral da Polícia Militar de Santa Catarina, falou sobre a operação Veraneio, realizada pela Polícia Militar e outras entidades estaduais e municipais anualmente durante a temporada de verão em Santa Catarina. A Operação Veraneio consiste no planejamento e execução de serviços de atendimento aos catarinenses e aos turistas que nos visitam na alta temporada.

O subcomandante explicou como vai ser feita a operação “Vamos contar com um acréscimo de aproximadamente 30% de policiais efetivos durante a realização da próxima Operação Veraneio que acontece no final de 2017 e início de 2018. Queremos que não ocorram nenhum problema administrativo como pagamentos e cadastramentos. Por isso cada região vai contar com o apoio de um coordenador de logística que vai identificar as demandas de cada macrorregião catarinense Toda sugestão é bem-vinda. Obrigado a todos”.

 

A Universidade Federal de Santa Catarina realiza de 19 a 21 de outubro de 2017, a maior evento científico de Santa Catarina, a Sepex, Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC. O encontro vai mostrar por meio de diversas atividades como apresentação de banners, seminários, palestras, ações artísticas e culturais um panorama científico da produção acadêmica da UFSC.

Está programado a realização de 154 minicursos que serão ministrados em diversos espaços da UFSC, como: salas de aula, auditórios, salas de Grupos ou Núcleos de Pesquisa, conforme a especificidade de cada atividade. As inscrições para a comunidade participar dos minicursos será feita de 16 a 21 de outubro. O lema desta edição da Sepex e a ‘Matemática está em tudo’.

Para a 16ª edição, estima-se a participação de 50 mil visitantes, como estudantes estudantes do ensino fundamental e médio de diversos municípios catarinenses. As escolas podem visitar a Sepex por meio de uma parceria institucional com a própria universidade, que fornecerá ônibus para o transporte dos estudantes. A lista completa de minicursos pode ser visualizada por meio do site www.sg.sepex.ufsc.br/

Sepex

A primeira edição da Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC foi organizada em novembro de 2000, no âmbito das comemorações dos 40 anos da universidade. A partir de 2007 o evento, passou a ser realizado todos os anos, englobando outras ações, como, feiras de livros, exibições artísticas e culturais, minicursos, debates e outras atividades.

 

O Jornal Informe é uma rede de jornais de circulação em Caçador (sede) e Florianópolis 

Editor: Adriano Ribeiro
Telefone: (48) 3733-6977
Plantão: (48) 9922-8133
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.