Equipe de Serviço Social atua para garantir direitos de pacientes e familiares em todas as áreas do HU-UFSC

O grupo de assistentes sociais inclui residentes e estagiários.

0
941
A assistente social Érica Zorzi Ferreira realiza atendimento no HU-UFSC/Ebserh. Foto: Sinval Paulino.

Desde a sua fundação, nos anos 80, o Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC/Ebserh) conta com assistentes sociais que atuam na equipe multiprofissional em praticamente todas as unidades de internação, nos ambulatórios e em
grupos que prestam serviços específicos, como o Acolhe (para pessoas em situação de violência). O grupo de assistentes sociais inclui residentes e estagiários.

O chefe da Unidade de Atenção Psicossocial do HU, Deidvid de Abreu, explicou que as assistentes sociais atuam basicamente em três linhas: alta complexidade adulto, saúde da mulher e da criança, e urgência e emergência. O trabalho privilegia a atenção aos pacientes, familiares, a articulação em equipe multiprofissional do HU e demais instituições que compartilham da garantia do cuidado integral em saúde e dos direitos sociais.

As assistentes sociais atuam em diferentes momentos da assistência prestada no HU, requisitados pelas equipes ou identificando as demandas nos atendimentos que realizam de forma sistemática nas unidades e ambulatórios. “Daí surgem intervenções para garantir que o paciente ou familiar tenha acesso a direitos sociais, que podem ser de várias áreas, como previdenciária, jurídica, de assistência social e de saúde”, explicou o chefe da unidade, lembrando que a equipe oferece cobertura para todas as clínicas durante a semana e em esquema de plantão para situações internas do hospital.

Segundo ele, nos atendimentos de rotina as assistentes sociais fazem estudos sociais para conhecer a realidade sociofamiliar dos pacientes, interagindo também com acompanhantes, responsáveis e pessoas da rede de apoio. Nesse estudo se identificam demandas e já podem ser realizadas orientações e planejadas outras ações necessárias, muitas vezes na relação com outras instituições que constituem a rede de proteção social. Ao considerar que a saúde é expressão de um conjunto de fatores, complexos e de diferentes campos, o acesso a rede de atenção à saúde e de proteção social torna-se fundamental para a garantia da saúde de forma integral.

“O Serviço Social pensa intervenções no sentido de garantir os direitos, fazendo uma articulação com a rede de serviços”, explicou Deidvid de Abreu, citando como exemplos a rede de proteção social, serviços de educação, saúde, assistência e até a rede comunitária
e organizações sociais que ofereçam suporte a determinadas situações atendidas no HU.

“Nós olhamos a condição de saúde e os demais fatores que transitam em torno desta condição, como a situação social da família, as condições de moradia, rede de apoio, o acesso a alimentação e cuidados primários de saúde, autonomia, dentre outros aspectos, necessários a cada caso, considerando o conceito ampliado de saúde”, explicou lembrando que a busca da garantia dos direitos dos pacientes atendidos é compromisso de todos os profissionais de saúde.