Com nova creche municipal autoestima da comunidade do Morro do Céu se eleva

Núcleo de Educação Infantil Professor Sérgio Grando possui 1.676 metros de área e tem capacidade para atender em torno de 160 crianças

0
766

Antes as crianças do Morro do Céu tinham como opção três salas de atendimento na educação infantil, que foram reduzidas mais tarde para duas salas devido à precariedade do prédio, que abrigava o Núcleo de Educação Infantil Maria Rosa Pires.

Para brincar, os pequenos iam para a laje do edifício com mais de 30 anos de construção. Ou se deslocavam com as professoras até a Praça Celso Ramos.
A realidade mudou.

A comunidade recebeu uma nova unidade educativa. A Prefeitura de Florianópolis construiu o Núcleo de Educação Infantil Municipal Professor Sérgio Grando, num investimento de R$ 4 milhões 239 mil.

As crianças do Neim Rosa Maria Pires já foram para esse espaço. São 36 pequenos de dois grupos mistos, formados por crianças de três e de quatro anos e de cinco e seis anos.

Em agosto, serão abertas inscrições para que outras famílias tenham os seus filhos atendidos no Neim que ganhou o nome do ex-prefeito da cidade.

Diretora Ana Lucia do Neim Professor Sérgio Grando

As crianças, segundo a diretora da unidade, têm orgulho de estar nesse ambiente. “Os pais também nutrem desse sentimento”, diz Ana Lúcia. “A autoestima de todos se elevou. Todos não cansam de admirar, contemplar e usufruir do que a administração pública proporcionou à população da região”.

Relatos e choro de saudade da professora

Vilma Alice de Jesus é mãe da Laura, 3 anos e seis meses de idade. A pequena frequenta o Neim. “Eu acho essa creche maravilhosa, com esse belíssimo espaço.

Observa que quando vai buscar a filha, Laura vem contando até em casa, que é no Morro do Céu, o que ocorreu de novidade no dia dela no Neim. “Ela adora tudo, está encantada”. Micael, três anos de idade, também faz um relato para a mãe, Rosângela Lino da Silva, do que acontece no núcleo de educação infantil.

Segundo Rosângela, à noite, ele já está pensando no dia de amanhã, que vai encontrar a turminha dele e a professora.

A mãe confessa que Micael, muitas vezes, chora, de lágrimas, de saudade da professora Karine dos Santos. “A professora é uma querida”, diz Rosângela, moradora da comunidade de Nova Trento.

Brincar é preciso

Dos humildes poucos metros quadrados de área da antiga instalação, hoje há 1.676 metros de qualidade, aponta o secretário de Educação Maurício Fernandes Pereira.

Só de recreação interna tem 90 m², enquanto a parte descoberta possui 200 m² com roda gigante, escorregador, balanço, cavalinhos e brinquedos para a criançada manusear na areia.

“Devemos valorizar o ato de brincar na primeira infância”, salienta o secretário de Educação, Maurício Fernandes Pereira. “Trata-se de um momento de aprendizados pedagógicos, motores e sociais”, complementa. O Neim tem agora oito salas de atendimento.

Conforme o secretário de Educação, além dos 36 matriculados, o núcleo pode receber em torno de mais 120 crianças. “Tudo, porém, “irá depender da idade delas”.

O secretário explica que, em período normal, sem Covid, para as crianças de um, dois e três anos, o máximo é de 15 pessoas por sala, enquanto uma sala com crianças de quatro anos tem a lotação máxima de 20 pequenos.

Os maiores, de cinco e seis, que são os da pré-escola, sem pandemia, na sala deles, pode haver até 25 crianças.

Atendimento educacional especializado

A unidade educativa contará com sala multimeios para acompanhamento e atendimento educacional especializado voltado para crianças com deficiência e transtorno do espectro autista. Essa função é desempenhada por um professor de educação especial.

Rosangela Lino, Mãe do estudante Micael

Há também no Neim Sérgio Grando sala de professores, refeitório, cozinha e área de serviço, área administrativa, solários e sanitários adulto, infantil e com acessibilidade.

Trajetória do ex-prefeito

Sérgio José Grando nasceu em 7 de março de 1950, no município de Veranópolis, na serra gaúcha. Em Santa Catarina residiu em Lages e em 1968 mudou-se com a família para Florianópolis.

Casou-se com Cleide Maria Marques Grando, socióloga e pedagoga, com quem teve dois filhos.

Graduou-se em matemática e física pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e fez pós-graduação em físico-química na mesma instituição. A partir da década de 1970 foi professor de ensino fundamental, médio e em de cursos preparatórios para vestibulares.

Lecionou Metodologia, pela Organização das Nações Unidas (ONU), visando à organização das disciplinas de Matemática e Física em Guiné Bissau, na África, de 1978 a 1980.

No pleito de 1982, elegeu-se vereador em Florianópolis. Em 1990, tornou-se deputado estadual e liderou a luta pela manutenção da capital em Florianópolis. No ano de 1992 ganhou a eleição para prefeito de Florianópolis.

Ao final da legislatura em 1996, foi escolhido em pesquisa realizada pelo Datafolha e Folha de São Paulo um dos melhores prefeitos do país. Ainda em sua gestão, Florianópolis obteve pela primeira vez o título “Capital da Qualidade de Vida”, conferido pela ONU.

Foi Diretor-Geral na Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma), entre os anos de 2005 e 2007. Como suplente, assumiu uma cadeira como deputado estadual na 16ª Legislatura (2007-2011).

Chegou a presidir a Associação dos Licenciados de Santa Catarina (Alisc), entidade que originou o Sindicato dos Trabalhadores na Educação (Sinte).

Sérgio Grando faleceu aos 66 anos, em 31 de dezembro de 2016, em Florianópolis.