Rede municipal de Florianópolis atende mais de 1.200 estudantes com deficiência

No contraturno, são encaminhados para salas multimeios com recursos didáticos, pedagógicos e equipamentos específicos

0
558
Professora Grasiela Maria Rios com Manuela Kummer de Souza- Neim Colônia Z-11

Conforme dados do balanço do primeiro semestre deste ano, a Prefeitura de Florianópolis, por intermédio da Secretaria Municipal de Educação, é responsável por 1.259 estudantes com deficiência. Eles estão matriculados na educação infantil, ensino fundamental e na educação de jovens, adultos e idosos, a EJA.
A maioria, 473, possui transtorno do espectro autista (TEA), seguido por deficiência intelectual, 199, e deficiência motora- física, 79. Há estudantes com deficiências múltiplas, que somam 51.

Existem 36 com altas habilidades/superdotação, 25 com perda total ou parcial da audição e 19 que são cegos ou que possuem baixa visão.
Em observação estão 265 e, em avaliação, 112.
O processo de observação é feito por professores de educação especial que realizam o atendimento educacional especializado (AEE), que articulam , trocam informações com outros docentes, outros profissionais e familiares para a inclusão dos estudantes no contexto escolar.

O estudante, então, é encaminhado para a avaliação, que acontece fora da unidade, com neurologista, psiquiatra ou equipes multidisciplinares.

Após confirmado o diagnóstico, ele passa a ser atendido na salas multimeios. Esses espaços são constituídos por mobiliários, materiais didáticos, recursos pedagógicos e de acessibilidade e equipamentos específicos para as necessidades dos estudantes.

A Secretaria de Educação está com 41 salas multimeios: 12 no Norte da Ilha, 4 no Leste, 12 na região central, 5 no Continente e 8 no Sul da Ilha.
Maurício Fernandes Pereira, secretário de Educação, destaca que o objetivo das salas é acolher com mais qualidade toda a demanda de estudantes, professores e famílias.

Essa é a Gabriela Maria Rodrigues da Silva-6º ano da Escola do Futuro da Tapera

“O atendimento é realizado no turno oposto ao da sala de aula comum, na própria escola em que o estudante frequenta ou em outra escola próxima à sua”, explica.

Profissionais

Para dar atenção a esses mais de 1.200 estudantes da rede municipal de ensino, além dos professores de educação especial há auxiliares para quem precisa de acompanhamento.
Há ainda professores e intérpretes de Língua Brasileira de Sinais (Libras) e professores que atuam no Centro de Atendimento Pedagógico para Alunos com Deficiência Visual – CAP.

Número de estudantes com deficiência

Transtorno do Espectro Autista- 473
Deficiência Intelectual- 199
Deficiência motora- física- 79
Deficiências múltiplas- 51
Altas habilidades/superdotação- 36
Perda total ou parcial da audição- 25
Cegos ou com baixa visão- 19
Em observação – 265
E avaliação- 112