Maior Estação de Tratamento de Florianópolis adotará nova tecnologia de depuração

A tecnologia MBBR vai garantir maior eficiência à operação do sistema e qualificar ainda mais o efluente final tratado

0
702

Em obras desde o início deste ano, a Estação de Tratamento de Esgotos Insular, a maior de Florianópolis, passa por obras de ampliação e modernização do processo de tratamento.

Está em execução um terceiro tanque de aeração, que aumentará a capacidade de depuração da unidade, e estruturas de apoio, que possibilitarão a adequação ao processo MBBR (Moving Bed Biofilm Reactor) ou Reator de Biofilme de Leito Móvel.

A tecnologia MBBR vai garantir maior eficiência à operação do sistema e qualificar ainda mais o efluente final tratado. A unidade também terá sua capacidade de tratamento elevada de 296 L/s para 612 L/s.

Com as melhorias, a ETE Insular passará a operar em Sistema Terciário, considerado o mais completo, pois além de remover a matéria orgânica do esgoto retém nitrogênio e fósforo.

SAIBA MAIS:

Funcionamento do MBBR

O processo MBBR utiliza anéis de plástico para criar um biofilme para adesão dos microrganismos que se alimentam do esgoto e realizam a sua depuração. A maior adesão possibilita também maior decomposição da matéria orgânica.

Os anéis são depositados nos reatores MBBR (tanques de aeração) e submetidos à agitação constante por um sistema com injeção de oxigênio, o que permite a multiplicação dos microrganismos e a aceleração do processo de tratamento.

Maior desempenho

A multiplicação dos microrganismos é responsável pela maior eficiência na decomposição de matéria orgânica e nutrientes. O processo permite o recebimento de maior volume de efluente para tratamento e também maior suporte para variações nas vazões em meses de pico, como os de alta temporada.

Sistema econômico

No processo não há formação de lodos ativados, que são flocos formados como resultado do consumo da matéria orgânica biodegradável pelos microrganismos. Isso permite maior eficiência e economia de energia elétrica para a operação do sistema. No processo de tratamento por lodos ativados com aeração prolongada é necessária uma constante recirculação do lodo para que a depuração seja efetiva.

Redução de odores e gases

Ao sistema MBBR  também é adicionada uma estrutura de tratamento de gases com filtro biológico, que previne a emissão de odores.

Tratamento Terciário

O sistema MBBR já possibilita uma conversão biológica parcial de compostos nitrogenados, mas na ETE Insular haverá uma etapa complementar para garantir o Tratamento Terciário, com a utilização de processos físicos e químicos para a remoção específica de nitrogênio e fósforo.

O efluente tratado ainda passará por uma desinfecção com raios ultravioleta (UV), para eliminação de patógenos antes de retornar à natureza.

A ETE insular

Localizada no aterro da Baía Sul, próximo aos contornos de acesso das pontes Pedro Ivo e Colombo Salles, a unidade atende a região central de Florianópolis e as bacias da Agronômica, Trindade, Carvoeira, Pantanal, Saco dos Limões, Costeira do Pirajubaé e parte do Córrego Grande.

Com a ampliação, passará a beneficiar nova área do Córrego Grande e Morro da Lagoa. Será também colocada em operação toda a rede de coleta já assentada na Bacia do Itacorubi.

Financiado pela Agência Internacional de Cooperação do Japão (Jica), o investimento de R$ 144,8 milhões vai beneficiar cerca de 225 mil habitantes de Florianópolis.