Prefeitura entrega alvará para a construção de um hospital particular em Palhoça

Apesar de ser um empreendimento particular, o complexo de saúde também atenderá pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

0
356

Em reunião realizada na manhã desta sexta-feira (22), no gabinete do prefeito Eduardo Freccia, a Prefeitura de Palhoça entregou aos empreendedores o alvará que permite o início da construção do Hospital Leonardo da Vinci, empreendimento particular, mas que também
atenderá usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). O futuro complexo hospitalar será instalado no Pagani, próximo ao Shopping ViaCatarina.

Além do prefeito Eduardo, participaram da reunião: o coordenador municipal de Projetos Especiais, Camilo Martins; o deputado estadual Nazareno Martins; o vice-prefeito de Palhoça, Amaro Junior; a secretária de Infraestrutura e Saneamento, Kristy Cardoso Fabre; os empreendedores que lideram o projeto, Platão Figueiredo, Pasquale Migliardi e Felipe Bittencourt; além do superintendente, Jânio Bezerra, e do diretor de Eventos do Shopping ViaCatarina, Evandro Maciel.

“Estamos entregando hoje o alvará de construção para o hospital de Palhoça. É um motivo de orgulho e muita satisfação para o poder público de Palhoça e para o povo palhocense. Estamos colhendo o fruto de um trabalho que começou em 2018. Lembro que, como secretário de Infraestrutura, na época, eu acompanhava as conversas com o então
prefeito Camilo Martins, e hoje é uma imensa felicidade estar aqui recebendo este empreendimento. Todo empreendimento é importante para a cidade, mas uma obra deste porte vai nos dar muito orgulho, até pela necessidade da nossa região”, destacou o prefeito Eduardo, abrindo a reunião. “Continuamos à disposição para ajudar no que for preciso,
Palhoça está de portas abertas para a chegada de novos investimentos”, acrescentou.

O prefeito Eduardo contextualizou a chegada do primeiro hospital de Palhoça diante do momento de crescimento e desenvolvimento experimentado pelo município nos últimos anos. “Se Palhoça não tivesse se colocado em um eixo de desenvolvimento como está posicionada hoje, certamente não estaria atraindo investimentos como este”, refletiu.

Camilo Martins também lembrou do crescimento econômico do município e agradeceu à família Figueiredo por ter acreditado no potencial de Palhoça como um mercado consumidor e um polo de desenvolvimento, a ponto de investir na construção do primeiro shopping da cidade, o ViaCatarina, inaugurado em 2010. Agora, a família volta a fazer um
investimento de grande impacto em Palhoça, com a presença de Platão Figueiredo, herdeiro do visionário patriarca Horácio Figueiredo, entre os empreendedores do Hospital Leonardo da Vinci. “Estamos sempre trabalhando em busca de novos empreendimentos na cidade e trouxemos esta equipe para construir o tão sonhado hospital, que irá atender,
também, gratuitamente pelo SUS. Estamos trabalhando nisso desde 2018 e estamos contentes que agora o prefeito Eduardo Freccia está conseguindo entregar o alvará de construção”, comentou Camilo. “Nós só temos a agradecer, ficamos muito felizes com a coragem de vocês, porque é um investimento vultoso, mas não tenho dúvidas de que a cidade de Palhoça vai retribuir. Palhoça, hoje, desponta. Nós vamos ser o sexto município de Santa Catarina nos próximos anos e isso vai dar uma outra visão para Palhoça, que hoje dá exemplo para o estado de Santa Catarina”, expressou o ex-prefeito e atual coordenador municipal de Projetos Especiais.

Para o vice-prefeito Amaro Junior, a chegada de um hospital também movimenta a economia e influencia na geração de empregos, pela quantidade de profissionais envolvidos na rotina de um estabelecimento deste porte, direta e indiretamente, como os setores de alimentação e limpeza, por exemplo. “Tem clínicas, laboratórios, farmácias, todo
um ecossistema que é movimentado no entorno. Palhoça tem todo o potencial para acabar virando um polo de saúde no estado”, ponderou Amaro.

“Este é um grande sonho do povo palhocense. Mesmo que seja um hospital privado, porque vai atender o público também”, argumentou Nazareno Martins. O deputado lembrou que, nos anos 1960, o município chegou a erguer uma edificação onde funcionaria o sonhado hospital de Palhoça, mas a ideia não foi adiante. Nazareno, inclusive, está mobilizando lideranças políticas e já conseguiu trazer verba para a estruturação de um projeto para a construção de um hospital público em Palhoça.

Hospital Leonardo da Vinci

Enquanto desenha o projeto do hospital público, a cidade comemora a chegada de um complexo de saúde particular como o Hospital Leonardo da Vinci, que vai realizar atendimentos de média e alta complexidade. Um evento de apresentação do projeto está agendado para o dia 17 de novembro. A partir do início das obras, a expectativa é a de que sejam necessários 36 meses para finalizar a edificação da estrutura. “Gostaria de agradecer a todos, primeiramente ao Camilo, que desde 2018 sempre foi muito solícito e deu todo o apoio pra gente, e agora ao prefeito Eduardo Freccia, que está concedendo o alvará para que possamos entregar este legado que eu, o Platão e o Felipe estamos entregando para Palhoça, o Hospital Leonardo da Vinci, que vai ser um marco de crescimento para a cidade”, agradeceu Pasquale Migliardi.

Para o empreendedor Felipe Bittencourt, o Hospital Leonardo da Vinci é mais do que um investimento. “Vai ser o maior hospital privado do estado e com o melhor padrão. Vai ser um grande legado que a gente vai deixar, não só para o município, mas para este mundo em que a gente vive. Vai ser um hospital altamente tecnológico, o primeiro do mundo sem papel, gerido e administrado de forma digital, temos uma empresa de tecnologia de grande porte fazendo toda essa parte de desenvolvimento para nós, então, é mais um motivo de orgulho para nós, porque vamos ter um hospital totalmente carbon free”, revelou Felipe.

O Leonardo da Vinci vai ser, também, o primeiro “hospital do câncer” de Santa Catarina, onde pacientes com câncer receberão atendimento de “ponta a ponta”, do diagnóstico ao acompanhamento em oncologia. “Não faz nenhum sentido enviar um idoso, por exemplo, de Palhoça até Florianópolis para aplicar um medicamento (em um tratamento contra o câncer)”, analisou Felipe. “Também precisamos agradecer, especialmente nesta parte oncológica, à ajuda que o secretário de Saúde, Rosiney Horácio, está nos oferecendo. Rosiney está nos ajudando muito”, emendou Pasquale.

A gestão vai seguir as mesmas diretrizes do Albert Einstein, um dos principais complexos de saúde do país. Os empreendedores também detalharam que tudo está sendo planejado nos mínimos detalhes, inclusive na questão estética, para que seja uma obra de destaque no efervescente bairro Pagani.

Em sua fala, Platão Figueiredo comentou sobre a relação estreita da família Figueiredo com o município. Platão avalia que, com o volume que o empreendimento vai tomar, com a construção do hospital e também com uma expansão que está sendo projetada para o Shopping ViaCatarina, Palhoça será alçada a outro patamar de atração de investimentos e
qualidade de vida. Platão também reforçou que a criação do Instituto Horácio Figueiredo, um instituto sem fins lucrativos, será fundamental para a realização de convênios com o poder público para viabilizar a disponibilização de atendimento aos cidadãos via SUS no
novo hospital. “Apesar de ser um hospital privado, ele precisa atender a população. Já estamos formalizando o instituto com este intuito, de atender algumas demandas que o município tem com a saúde pública”, garantiu Platão.