Professores do Ensino Fundamental e da EJA participam de Formação Continuada

Educação Especial, Educação Ambiental e orientações para combate à violência estão na programação

0
270

A Secretaria Municipal de Educação de São José está realizando formação continuada para os professores do Ensino Fundamental e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) nesta e na próxima semana. De forma intercalada, em seis dias, cerca de 800 profissionais de Educação participam das atividades na Casa do Educador.

Na programação, estão informações sobre o atendimento educacional aos estudantes com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades; práticas de educação ambiental nas unidades de ensino e combate à violência infantojuvenil.

A formação continuada é realizada mensalmente, totalizando 40 horas no ano. “Neste mês, as orientações focam na apresentação de três setores da Secretaria Municipal de Educação: Centro de Referência em Educação Especial (CREE), Educação Ambiental e Programa Emfrente”, citou a secretária Municipal de Educação, Ana Cristina Hoffmann.

Centro de Referência em Educação Especial (CREE)

Os participantes entenderam com mais detalhes como funciona o Centro de Referência em Educação Especial (CREE), unidade de referência no atendimento pedagógico aos alunos eaos professores da educação especial da rede municipal de ensino. Os estudantes são atendidos, mediante apresentação de documentação e visita da equipe técnica para identificar e organizar o Atendimento Educacional Especializado (AEE), hoje distribuído em 18 polos. O CREE é formado por uma equipe multidisciplinar, composta por profissionais de pedagogia, psicologia e fonoaudiologia, para atendimento educacional com orientações e encaminhamentos aos professores, equipe diretiva e família.

O CREE está localizado na Casa do Educador, Rua Maria Manchen de Souza, 1312, Praia Comprida, São José, fone: (48) 32883474.

Educação Ambiental

A equipe da Educação Ambiental incentivou os profissionais a aderirem ao Programa Escolas Sustentáveis, que tem entre as estratégias: reciclagem de diversos materiais em parceria com um catador local; e compostagem dos resíduos orgânicos e horta na própria escola. “A educação ambiental não pode se limitar a um evento, uma ação. Precisa ser permanente e de forma interdisciplinar. Assim que se desenvolve a cultura ambiental. Nós oferecemos todo suporte técnico para as unidades colocarem em prática”, explicou a assessora pedagógica da Educação Ambiental, Yasmin Nascimento.

Programa Emfrente

Já o Programa Emfrente coordena o enfrentamento e o manejo das situações de violência infantojuvenis na rede municipal de ensino. Na formação deste mês, a equipe detalhou a Lei Municipal nº 6.082/2021, que institui o “Programa Criança Não Namora, Nem Brincando”. “Para essa formação, trouxemos essa temática para conscientização da comunidade sobre os riscos da erotização precoce, além de apresentarmos diversos órgãos envolvidos nessa rede de proteção às crianças e aos adolescentes. Nossa intenção é cada vez mais capacitar os professores para prevenção, identificação e encaminhamento das situações suspeitas de violência”, citou a coordenadora do Programa Emfrente, psicóloga Ana Brasil.

Avaliações

Para a professora Ieda Maria Tomás Chaves, do 1º ano do Colégio Municipal Maria Luiza de Melo (Melão), a formação é oportunidade para aprimorar o cotidiano escolar. “Considerei muito importante entender melhor sobre a legislação referente à Educação Especial. Vislumbrei também que essa experiência compartilhada no atendimento vai me ajudar a lidar com meu aluno que tem Transtorno do Espectro Autista (TEA)”, ponderou Ieda, que se efetivou neste ano na rede.

A colega de Ieda, professora Renata Trilha Vieira Rosenbrock, também do 1º ano do Melão, complementou: “não basta saber que a criança é autista, temos que saber o que fazer para avançar no aprendizado. Aprendi bastante e até visualizei algumas atividades a serem desenvolvidas em relação ao meio ambiente”.