Depois do ouro, vôlei de praia feminino de São José saca para novos desafios

Dupla Natália e Aline que conquistou lugar mais do pódio na Olimpíada Estadual Catarinense lidera Catarinense sub-17

0
268

Não tem descanso. Depois do ouro na Olimpíada Estudantil Catarinense que reuniu equipes de 85 municípios catarinenses, Natália e Aline, dupla campeã do vôlei de praia feminino da Olesc, segue competindo no Catarinense sub-17, mantendo a liderança.

Foi a primeira experiência de Aline e da Natália na Olesc, que ocorreu em Curitibanos, mas não a primeira vez que o vôlei feminino de São José levou o ouro. No mês passado, Natália e Vitória, outra atleta de São José, foi campeã no Jogos Estudantis de Santa Catarina (Jesc), sediado em Criciúma.

“Esse título é muito importante pra mim. Não foi um resultado fácil. Houve muita luta, muita dedicação, persistência. Eu e a Aline estávamos muito preparadas física e mentalmente, e a nossa união dentro de quadra foi essencial para ganhar esse título. Estamos evoluindo a cada jogo” comemorou Natália.

Ainda neste ano, Natália e Aline representaram o estado catarinense no brasileiro sub-17, no Espírito Santo, terminando o campeonato em sétimo lugar, um resultado positivo levando em consideração que foi a primeira competição nacional delas

O Sérgio Castro, conhecido como Ceará, atleta e treinador das meninas, diz que o objetivo agora é treinar para participar dos Jogos Abertos de Santa Catarina,. Para o próximo ano, o desafio será disputar novamente o Brasileiro, dessa vez, no sub-19. “Elas estão evoluindo a cada competição, somente este ano, foram dois anos e uma boa colocação no Brasileiro-sub17. Elas têm potencial, e mantendo esse ritmo, é questão de tempo para estarem se destacando no cenário nacional” contou Ceará.

BOLSA ATLETA

Por conta do resultado na Olesc, Natália e Aline vão passar a ser beneficiárias do Bolsa Atleta, recurso que tem incentivado os atletas de São José. Atualmente, o Município investe em 272 atletas que recebem mensalmente um valor correspondente aos seus desempenhos nas competições oficiais, o que corresponde a um investimento de R$ 200 mil por mês.