Coluna da AMPE edição de 31 de agosto de 2022

Veja abaixo os principais assuntos da Coluna da Ampe, publicada quinzenalmente numa parceria da Ampe da Região Metropolitana de Florianópolis, com o jornal Informe Negócios

0
376

EducAmpe oferece mais de 170 cursos gratuitos para capacitar empreendedores

Os associados da Ampe Metropolitana contarão com um novo benefício voltado à área da capacitação, com oferta de 176 cursos, totalmente gratuitos, divididos em 25 áreas do conhecimento. Com o nome de EducAmpe, a iniciativa vai se estender durante toda a atual gestão, até o final de 2024. Para viabilizar o projeto, a entidade fez parceria com a empresa MSI, que possui ampla experiência no mercado da educação profissional e será responsável por ministrar os cursos. O lançamento do EducAmpe será feito nos próximos dias e os interessados devem acompanhar a novidade pelas redes sociais ou entrar em contato com a associação.

Esta é a primeira grande ação da gestão do presidente Ivam Michaltchuk, que ao tomar posse, em março deste ano, colocou a capacitação como uma de suas prioridades. “Como venho da área da educação, tenho como meta trabalhar muito forte este pilar da Ampe, que é essencial para que os empreendedores consigam enfrentar melhor as dificuldades vividas no dia a dia”, explicou.

COMO FUNCIONARÁ

No site ampemetropolitana.com.br o associado vai optar por um dos cursos e receberá um cupom com 100% de desconto – já que para não associados os cursos são pagos. Depois, deverá inserir o cupom na plataforma para fazer sua matrícula. Entre as 25 áreas do conhecimento, estão por exemplo Administração e Negócios, com mais de 20 cursos, além de Marketing Digital, Atendimento ao Cliente, Coaching e Liderança, Comunicação e Vendas, Educação, Informática e Idiomas.

“Muitos MEIs, micro e pequenos empresários não têm acesso e também não têm tempo para deslocamentos até uma escola física, para curso presencial. As tarefas do cotidiano de um pequeno negócio são muitas. Por outro lado, a capacitação ajuda muito a melhorar o trabalho da empresa. Então, a solução é o ensino a distância, que pode ser feto conforme o tempo disponível de cada um e até em casa”, observou Ivam Michaltchuk. “Além de tudo isso, a gratuidade facilita ainda mais o acesso a todos”, destacou.

O presidente da Ampe lembrou ainda que os cursos oferecem ótimo conteúdo, rico material didático, com toda estrutura de aprendizado, e todos contam como horas extra-curriculares. Terminado o conteúdo, o aluno fará uma avaliação de conhecimento com 10 questões. Se tirar nota 7, aparecerá na tela o certificado, que é reconhecido pelo Ministério da Educação em todo o Brasil.

Por um tratamento digno aos pequenos negócios

Piter Santana

Vice-presidente da Ampe Metropolitana

Imagine o Brasil sem 90% de seus empreendimentos, com 30% a menos no seu Produto Interno Bruto (PIB) e sem mais da metade de seus empregos. Se agora já está difícil, seria o caos total, não é mesmo?

Por isso tudo são inaceitáveis as razões pelas quais os pequenos negócios, que são 90% das empresas brasileiras, garantem 30% do PIB e mais de 50% dos postos de trabalho, continuam numa situação de penúria, sem uma política nacional para o segmento e tendo que todo ano implorar por mais crédito e apoio. E olha que esses números são uma média.

No primeiro semestre deste ano, as micro e pequenas empresas puxaram a criação de empregos formais. Dos cerca de 1,33 milhão de postos de trabalho formais criados no Brasil de janeiro a junho, 961,2 mil, ou seja, 72,1% do total, foram gerados em pequenos negócios. Os dados são oficiais, do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. O desempenho das MPE é bastante superior ao das médias e grandes empresas, que abriram 279,1 mil vagas nos seis primeiros meses de 2022. Apenas em junho, os negócios de menor porte foram responsáveis pela abertura de 63,6% das vagas formais no mês, com 176,8 mil de um total de 277,9 mil postos de trabalho criados no mês. As médias e grandes empresas abriram 73,9 mil vagas (26,6% do total).

Se por um lado isso muito nos orgulha e reafirma a importância das micro e pequenas empresas para o desenvolvimento do país e de todas as suas regiões, formando a base da economia brasileira, por outro mostra essa dicotomia entre o que oferecemos e o que recebemos. Vejam o caso da Grande Florianópolis, onde a Ampe Metropolitana atua há 12 anos para melhorar o ambiente de negócios. Com seus 22 municípios e uma população de 1.319.108 pessoas, tem um PIB de R$ 51,7 bilhões, possui 90.489 empresas, 146.861 empresários individuais e gera 546.904 empregos. Imagine se não houvesse o pequeno negócio, o que seríamos?

Esse exercício de imaginação que faço é uma forma de entendermos melhor o papel do segmento. Às vezes se dá o valor a alguém apenas após sua morte, não é mesmo? Então, vamos deixar morrer à mingua a micro e pequena empresa e os MEIs? Não! Vamos trabalhar e exigir dos governantes, em todos os níveis, o reconhecimento devido. Não queremos nada além do que merecemos pelo que fizemos aos municípios, estados e ao país. Mas também não aceitamos nada aquém.

BNDES reabre Programa Emergencial de Acesso a Crédito

O BNDES reabriu a nova fase do PEAC (Programa Emergencial de Acesso a Crédito) com garantia do FGI (fundo garantidor de investimentos). O programa inclui os MEIs e microempresários. A estimativa é de viabilizar R$ 22 bilhões para o segmento em 16 meses. Com vigência até dezembro de 2023, o PEAC é destinado a investimento ou capital de giro, de valor entre R$ 1.000 e R$ 10 milhões. O prazo de pagamento é de até 60 meses, com carência entre 6 e 12 meses. A cobertura é de 80% do valor do contrato.

Assembleia Legislativa aprova novo prazo para renegociação de dívidas com o Badesc

A Assembleia Legislativa aprovou o projeto de lei que amplia para 30 de junho de 2023 o prazo para a adesão de empresas ao programa de renegociação de dívidas com o Badesc. A matéria também possibilita a renegociação de linhas de crédito realizadas em caráter emergencial, em que o Estado subsidia os juros. Poderão participar da renegociação as operações de crédito que estejam inadimplentes em data anterior a 31 de agosto do ano passado, inclusive as ajuizadas.

Já para os empréstimos feitos pelo Recomeça SC, Emergencial Covid e SC Mais Renda Empresarial, em que há subsídio de juros, o prazo será estendido em até 36 meses, contados a partir do início da inadimplência. O texto segue para a sanção do governador para virar lei. (Com informações da Agência AL)

CURTAS

– A Ampe Metropolitana, mantenedora da Junior Achievement Santa Catarina, comemorou os números do primeiro semestre, que apontaram 16.991 adolescentes e jovens beneficiados em 159 cidades catarinenses. A expectativa é de superar a meta de 30 mil neste ano. As ações presenciais estão sendo retomadas, principalmente em parceira com o poder público, através das secretarias municipais de educação. Já são nove cidades envolvidas.

– Os vereadores de São José aprovaram na sessão da última quarta-feira (24) a adesão definitiva do município à Declaração de Direitos de Liberdade Econômica, prevista na Lei Federal nº13.874/20196. O objetivo principal é viabilizar o livre exercício da atividade econômica e a livre iniciativa, garantindo a autonomia do particular para empreender. Mais uma pauta do Manifesto da Ampe Metropolitana atendida.

– A convite do Sebrae Nacional, a Ampe participou do evento Líderes em Movimento, maior encontro para capacitar lideranças do Brasil. O ciclo de palestras foi realizado entre os dias 29 e 30 de agosto, em Foz do Iguaçu-PR.