FloripAmanhã firma parceria com novo aplicativo de mobilidade

Parte do valor das corridas serão revertidas para a entidade, assim as pessoas terão a oportunidade de ajudar a cidade, através da FloripAmanhã, utilizando o aplicativo

0
97

Recentemente, moradores e turistas da Grande Florianópolis ganharam mais uma opção de aplicativo de transporte para se deslocar pela cidade, a Lemobi. E a FloripAmanhã resolveu abraçar essa ideia e firmar uma parceria com a plataforma.

Criada por motoristas e para motoristas, a Lemobi entra no mercado com o objetivo de ser transparente, segura e oferecer vantagens reais. Principalmente sobre o valor repassado por cada corrida, número que na maioria dos aplicativos costuma variar e não chega a ser exato, segundo o licenciado da marca, Francisco Ricardo Martini. “Na Lemobi, será sempre 90% do valor líquido da corrida para o motorista, com repasse em até 24h. Além disso, temos outros benefícios, como seguro de vida com diária de R$ 200 em caso de acidentes durante as corridas Lemobi e seguro do veículo, para metas atingidas”, destaca Martini.

Para o passageiro, são corridas que cabem no bolso, agilidade nas chamadas, botão de pânico para segurança e a possibilidade de chamar somente motoristas mulheres.

“A FloripAmanhã apoia soluções que tragam benefícios para a cidade e, principalmente, para as pessoas. Acredito que mais um aplicativo de mobilidade será ótimo para elevar o nível dos concorrentes”, destaca o presidente da Associação, Jaime de Souza.

A parceria com a Lemobi vai repassar parte do valor das corridas para a FloripAmanhã, associação sem fins lucrativos que tem como objetivo contribuir com estratégias para o desenvolvimento sustentável e bem-estar social de Florianópolis. Para isso, a pessoa precisa se cadastrar no link antes de baixar o aplicativo. E na primeira corrida ainda ganha 20% de desconto (limitado a até R$ 5 reais).

“As pessoas terão a oportunidade de fazer uma ação de responsabilidade socioambiental, ajudando a cidade através da FloripAmanhã, ao usar o aplicativo”, explica o presidente da entidade.