São José será palco do Circuito Catarinense de Patins Street no dia 10

Inscrições para competição devem ser feitas on-line e encerraram nesta quarta-feira (7)

0
163

O evento conta com o apoio da Prefeitura Municipal de São José e da WOA, adotante da área por meio de uma parceria público-privada com o município. A expectativa é reunir mais de 100 atletas, contando com grandes referências da patinação, como Carlos Pianowski, curitibano que já foi campeão dos X-Games entre vários outros eventos internacionais, e Nicoly Machado que foi campeã brasileira e sul-americana em 2022.

“A Beira-Mar de São José tem uma das melhores estruturas do país e será palco para as estrelas a modalidade no próximo sábado. Em 2019, antes da pandemia, tivemos uma bela edição neste local e agora encerramos a competição do ano neste espaço, que recentemente passou por uma revitalização que engrandece ainda mais o esporte”, comenta Diego Rachadel, diretor da Federação Catarinense de Hóquei e Patinação.

A competição tem o formato Jam Session Ordenada, que consiste em apresentações sequenciais entre os atletas em suas baterias. Ou seja, em uma bateria com cinco atletas por exemplo, cada um executará três sequências de manobras com duração aproximada de 30 segundos e passa a vez para o próximo atleta até completar o ciclo das três exibições.

Os atletas serão avaliados por três juízes sob os critérios dificuldade, consistência e criatividade.

“O trabalho de patinadores e empresários da Grande Florianópolis vem contribuindo para formação de novos atletas e a região se tornou um grande celeiro da modalidade no país. Para a WOA, é um orgulho contribuir com este grandioso evento, uma vez que reforça nossos preceitos de governança e também tem consonância com nosso DNA de apoio à cultura e esporte”, destaca Waltinho Koerich, diretor da WOA.

Sobre a modalidade

O patins street é a modalidade mais radical da patinação. Em pista, consiste em manobras como aéreos e saltos mortais. Nos obstáculos urbanos, se dá em desafios, como deslizar em corrimãos.

De acordo com a Federação da modalidade, um trabalho intenso com destaque para aulas gratuitas de roller em São José, Palhoça e Florianópolis foram as molas propulsoras para o crescimento da prática na região, desde 2012. A iniciativa partiu do patinador e atual diretor da entidade Diego Rachadel, em conjunto com outros dois atletas, Walisson Alves e João Scarpin.

Reivindicação

Atletas da modalidade reivindicam participação em Olimpíadas. Eles argumentam que nos jogos olímpicos de inverno há patinação, e que os jogos tradicionais já se abriram aos esportes radicais, com a inclusão de skate e surfe em Tóquio-2020.

Histórico

No Brasil, a modalidade é praticada desde os anos 1990, com a popularização dos patins in line e a fabricação de modelos próprios ao esporte que têm rodas menores, bases alargadas para deslizar em quinas e botas mais reforçadas por causa do impacto das manobras.

A modalidade em números em SC

Santa Catarina é o principal centro do patins street no Brasil. De acordo com Diego Rachadel, diretor da modalidade street na Federação Catarinense de Hóquei e Patinação, isso se deve à qualidade das pistas do Estado, à popularização deste esporte, à presença de alguns dos principais atletas da modalidade no país, ao intercâmbio de atletas locais com patinadores do exterior e à tradição do patins street em SC.

Segundo dados, antes da pandemia estimava-se que o esporte fosse praticado por 2 mil pessoas no Estado. Há grupos formados em 25 cidades. Dez anos atrás eram 200 pessoas em 10 cidades.