google.com, pub-9039894567170353, DIRECT, f08c47fec0942fa0
Hoje é sexta-feira, 1 de março de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
InícioGERALCentro POP de São José atendeu mais de 4 mil pessoas em...

Centro POP de São José atendeu mais de 4 mil pessoas em 2023

São José reforça estrutura de atendimento a pessoas em situação de rua

A rede de acolhimento assistencial da Prefeitura de São José foi reforçada para atender o aumento da demanda no município. A cidade tem enfrentado o desafio nacional do aumento da população em situação de rua com atuação em diversas frentes. Um dos principais pilares da rede de suporte em São José, o Centro POP atendeu 4.738 pessoas ao longo de 2023. A Secretaria de Assistência Social divulgou também um balanço de ações ao longo do último ano.

Para o prefeito Orvino Coelho de Ávila, o desafio é uma das prioridades do município. “Os serviços de Assistência Social de São José são referência. Nós buscamos ampliar os programas de benefícios, reestruturamos o atendimento do Centro Pop e estamos também com equipe reforçada para a abordagem social”, comentou.

O atendimento inicia de forma preventiva, explica a secretária de Assistência Social, Rita de Cássia Faversani. “Notamos um aumento generalizado, no Brasil e na Grande Florianópolis, de pessoas em situação de rua. Acreditamos que é um efeito direto das dificuldades de inserção no mercado de trabalho. O nosso trabalho começa na base, com o atendimento de famílias vulneráveis”, explica a secretária.

O município de São José atua de acordo com a política nacional, o Sistema Único de Assistência Social (Suas), um sistema público que organiza os serviços de assistência social em todo o território nacional. Com um modelo de gestão participativa, promovendo recursos dos três níveis de governo, municípios, estados e a União, para a execução e o financiamento da Política Nacional de Assistência Social (PNAS).

Centro POP

Um dos serviços de referência previstos no SUAS, o Centro POP de São José atua em regime de portas abertas, recebendo a população de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. A maioria dos atendimentos é de homens (94%), sendo que 84% deles são oriundos de outros municípios.

O Centro POP é um serviço cuja função é dar suporte durante o dia, para que essa pessoa se reorganize. Ele funciona de portas abertas, das 8h às 17h. A pessoa em situação de rua tem acesso ao Cadastro Único e aos serviços básicos de subsistência, como refeições (café da manhã e almoço), lavagem de roupas e corte de cabelo.

Além disso, o Centro POP oferece encaminhamento para elaboração da documentação pessoal, oportunidades profissionais e apoio da Defensoria Pública estadual. A população pode ajudar o Centro POP com doação de roupas, calçados e acessórios. As equipes realizam a doação dos materiais conforme a necessidade de cada usuário do serviço.

No último ano foram mais de 56 mil serviços ofertados, considerando 18 mil almoços, 15 mil cafés da manhã, 1133 atendimentos psicossociais, 376 cortes de cabelo, entre outros serviços disponíveis.

Para as pessoas em vulnerabilidade, o município oferece 95 vagas em espaços de acolhimento conveniados da Prefeitura de São José, considerando Casa de passagem AMINC, Adra Adultos e um local específico para mulheres. Ao todo, em 2023, o município aplicou R$ 261 mil no acolhimento da população.

Abordagem social

Em apoio ao Centro POP, a Secretaria de Assistência Social também oferece serviço de abordagem social. Cerca de 1,1 mil atendimentos foram realizados no último ano, sendo que, ao todo, 361 pessoas foram abordadas. Há duas equipes volantes, capacitadas para o atendimento psicossocial, que realizam busca ativa em todas as regiões da cidade.

As equipes de abordagem social são capacitadas para dialogar, criar vínculos com a população em vulnerabilidade e dar o melhor encaminhamento para cada caso. “O trabalho tem perfil orientativo e as equipes atuam de forma integrada com a Guarda Municipal. Assim, quando não envolve a segurança pública, a orientação aos moradores é que busquem a abordagem”, afirmou.

A equipe de abordagem social pode ser acionada pelo WhatsApp (48) 98854-4443 ou pelo link.

CRAS

A porta de entrada das medidas de prevenção é a rede de Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), que atende todas as regiões de São José. Sob a gestão do prefeito Orvino Coelho de Ávila, São José conquistou uma sede própria para o CRAS Forquilhinha, completando cinco unidades em plena operação.

Nos CRAS, as famílias em situação de vulnerabilidade são registradas no Cadastro Único, que permite acesso aos programas de transferência de renda do Governo Federal, como Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada (BPC) e Auxílio Gás. As famílias também recebem encaminhamento para inserção no mercado de trabalho e matrícula na rede de Educação.

Benefícios socioassistenciais

Além de apoiar o Governo Federal no controle do Cadastro Único, o município disponibiliza às famílias em vulnerabilidade benefícios socioassistenciais. Os valores visam subsidiar necessidades básicas dos moradores enquanto eles se estabilizam profissionalmente. Esse é o caso do Auxílio Natalidade, que atendeu 646 pessoas ao longo de 2023, com um subsídio de R$ 844 mil. Além disso, mais de 10 mil cestas básicas foram distribuídas; cerca de R$ 139 mil foram disponibilizados para pessoas que desejavam voltar para a cidade de origem e R$ 52 mil foram cedidos em vale transporte.

Outra modalidade de benefício, concedido em casos de desapropriações ou moradias interditadas pela Defesa Civil, São José concede Locação Social. O programa, que atualmente atende 224 famílias, foi ampliado na gestão do prefeito Orvino Coelho. Houve aumento de 87% no valor da Locação Social, que foi reajustada de R$ 770 para R$1.437, possibilitando que as famílias consigam alugar um local com mais de um quarto.

Casos de alta complexidade

Em articulação com os CAPS, os casos que envolvem doenças mentais e dependência química também recebem suporte do município. Os casos de alta complexidade, que envolvem dependência química, contam com acompanhamento ambulatorial ou por meio de comunidades terapêuticas, em instituições credenciadas pelo município. Ao longo de 2023, o município realizou oito internações compulsórias sob determinação judicial.

ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa