Hoje é domingo, 26 de maio de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
spot_img
InícioGERALEscola Sonora - Projeto itinerante leva música para escolas da Grande Florianópolis

Escola Sonora – Projeto itinerante leva música para escolas da Grande Florianópolis

O projeto "Escola Sonora" chega às escolas públicas da Grande Florianópolis com a sua quinta edição levando uma programação gratuita para "transformar vidas através da música"

Até setembro serão 32 apresentações por meio de concertos interativos e inclusivos em 16 instituições de ensino municipais e estaduais nas cidades de São José, Florianópolis, Santo Amaro da Imperatriz, Biguaçu e Palhoça. 

As ações tiveram início no final de abril e já passaram por duas escolas em São José. A partir do dia 8 de maio, o projeto chega às instituições de Florianópolis, começando pela Escola Básica Municipal José Amaro Cordeiro, no Morro das Pedras. Idealizado pela produtora Elena Ribeiro e pelo músico Rafael Calegari, o “Escola Sonora” surgiu em 2020 e chega a sua maior edição por meio do Programa de Incentivo à Cultura, o PIC, do Governo do Estado de Santa Catarina e aprovado pela Fundação Catarinense de Cultura.

A premissa do projeto está em levar às crianças educação musical de forma lúdica e didática, explorando os elementos e fundamentos da música e sua história, com acessibilidade e muita interação. Em cada escola, o projeto promove dois concertos, um pela manhã e outro à tarde. 

Esses concertos didáticos visam despertar a aptidão musical, estimular a afinidade e proporcionar aos alunos de escolas públicas um entendimento maior da música, preenchendo esse pilar na educação e proporcionando uma formação humana integral. As apresentações ficam à cargo da equipe que praticamente acompanha o projeto desde o seu início, trazendo os multi-instrumentistas Rafael Calegari (baixo, cavaquinho e direção musical), Dinho Stormowski (violão, guitarra, e voz), Fábio Mello (saxofone e flautas), Willian Goe (bateria e percussão) e a intérprete de Libras, Jéssica Cardoso.

Cada professor fica encarregado de parte do conteúdo, que versa sobre o ritmo, a propriedade do som, os elementos da música, estilos musicais e a utilização dos instrumentos. Toda a apresentação se dá de maneira a envolver todo o ambiente em que crianças e seu entorno estão inseridos no momento e assim criar uma conexão com a música. “Eu procuro apresentar logo de início que a música nada mais é que o resultado da soma de muitos ingredientes. Na verdade, a música é uma grande receita. Temos um repertório bem variado, de música brasileira, samba, choro, blues, jazz, baião e pop, com importantes nomes da cena nacional e mundial, como Hermeto Pascoal, Gilberto Gil, Egberto Gismonti e Hamilton de Holanda, explica Rafael Calegari.

“Cada criança têm a sua forma de sentir a música”

Para a diretora Elena Ribeiro, a acessibilidade e inclusão é outro ponto importante no desenvolvimento do projeto. A participação da intérprete de Libras se dá não só apenas na tradução do que é falado e apresentado nos concertos, ela traz para o público conteúdos sobre a importância da língua de sinais, promove dinâmicas interativas com as crianças onde, por exemplo, elas aprendem a cantar juntas o “Parabéns para você” em Libras. 

A participação de crianças e professores surdos nos concertos não são raras, assim como outros tipos de deficiências. “É importante dizer que crianças e adultos surdos também consomem música, elas sentem através da vibração dos sons”, explica Elena. 

A ideia de transformar vidas através da música pressupõe também incluir socialmente. O resultado, explica, está no retorno das crianças ao final de cada apresentação. “E é muito gratificante ver as crianças vindo até nós, felizes e agradecidas, porque é uma realidade distante delas. Muitas chegam e falam “eu nunca assisti a um show”. Então a gente pode democratizar o acesso à cultura, fundamental dentro deste projeto”, conclui a diretora. 

Serviço – “Escola Sonora – Transformando vidas através da música” (5ª Edição)

Quando: de abril a setembro de 2024.

Locais: Escolas públicas das redes de ensino municipal e estadual nas cidades de São José, Florianópolis, Santo Amaro da Imperatriz, Biguaçu e Palhoça.

Programação: Gratuita

Número de concertos didáticos: 32 (semanais e dois por escola)

Número de escolas envolvidas: 16

O “ESCOLA SONORA – TRANSFORMANDO VIDAS ATRAVÉS DA MÚSICA” é um projeto cultural que conta com o incentivo da CASSOL CENTERLAR, realizado por meio do Programa de Incentivo à Cultura, o PIC, do Governo do Estado de Santa Catarina, aprovado pela Fundação Catarinense de Cultura. 

Realização: Sétima Maior Consultoria LTDA 

Produção: Elena Ribeiro Prod. @elenaribeirocunha

Incentivadora: CASSOL CENTERLAR @cassolcenterlar

Siga o Projeto “Escola Sonora” no YouTube e no Instagram.

Confira a programação:

08/5 – EBM José Amaro Cordeiro – (Florianópolis), 10h30 e 15h30

16/5 – EBM Maria Conceição Nunes – (Florianópolis), 10h30 e 15h30

20/5 – EBM Prof. Fernando Brüggemann Viegas – (Biguaçu), 10h15 e 13h15

28/5 – EBM Maria Tomázia – (Florianópolis), 10h45 e 14h

05/6 – CEM Professora Amélia Inácia de Medeiros Ludwig – (São José), 10h e 15h

13/6 – EBM José do Valle Pereira – (Florianópolis), 10h30 e 15h30

17/6 – CAIC Prof. Febrônio Tancredo Oliveira – (Palhoça), 10h e 13h45

25/6 – EBM Donícia Maria da Costa – (Florianópolis), 10h30 e 15h30

04/7 – EBM João Gonçalves Pinheiro – (Florianópolis), 10h e 13h30

06/8 – EBM Profª. Olga de Andrade Borgonovo – (Biguaçu), 10h e 13h30

12/8 – EB Mâncio Costa – (Florianópolis), 10h30 e 13h30

21/8 – EB Beatriz de Souza Brito – (Florianópolis), 10h30 e 15h30

29/8 – CEM Antônio Francisco Machado – (São José), 10h30 e 13h30

3/9 – EEB Nereu Ramos – (Santo Amaro da Imperatriz), 10h30 e 15h30

spot_img
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa