Hoje é terça-feira, 25 de junho de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
InícioGERALFlorianópolis é a 1ª cidade brasileira a oferecer tratamento de leishmaniose para...

Florianópolis é a 1ª cidade brasileira a oferecer tratamento de leishmaniose para animais de famílias carentes

Oferecer o tratamento e custear os remédios se tornou obrigatório depois de uma lei de origem da própria Prefeitura em 2021, com a indicação da vereadora Pri Fernandes

A cidade de Florianópolis é a primeira do Brasil a oferecer exames e tratamento medicamentoso para animais com leishmaniose de famílias carentes. Oferecer o tratamento e custear os remédios se tornou obrigatório depois de uma lei de origem da própria Prefeitura em 2021, com a indicação da vereadora Pri Fernandes. No Brasil, o protocolo do Ministério da Saúde prevê eutanásia em animais com a doença e que não estejam em tratamento.

A Prefeitura, através do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), faz investigação e varredura em áreas com a presença do mosquito-palha, agente transmissor da doença leishmaniose. Em locais cujas famílias são carentes, o município já oferecia gratuitamente a coleira repelente que ajuda a manter o mosquito longe dos animais. Além disso, os animais também são investigados através de exames. Em caso positivo para a doença, a família pode optar pelo tratamento. Se comprovado baixa renda, agora a prefeitura doa o medicamento.

“Não achávamos justo que famílias carentes tivessem apenas a opção da eutanásia. Por mais que este seja um protocolo nacional, acreditamos que Florianópolis poderia ir além e oferecer os remédios. Animais se tornaram parte integrante das nossas famílias”, explicou o prefeito Topázio Neto.

Cachorra Many ficou famosa por ter assinado a lei

A cachorra Many ficou nacionalmente conhecida e até virou meme por ter assinado o projeto de lei da leishmaniose. Ela é portadora da doença e esteve em 2021 ao lado do prefeito à época Gean Loureiro e da sua tutora vereadora Pri Fernandes. Nesta segunda-feira, 23 de janeiro, ela voltou ao DIBEA e viu o armário cheio de remédios para tratamento da doença.

spot_img
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa