Hoje é terça-feira, 25 de junho de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
InícioGERALHome office: Como aumentar a diversidade cognitiva e regional dentro das empresas

Home office: Como aumentar a diversidade cognitiva e regional dentro das empresas

Flexibilidade e práticas de gestão de pessoas garantem inclusão de perfis de profissionais, melhorando indicadores de diversidade e competitividade no mercado

A evolução das ferramentas de colaboração digital e a consolidação do modelo de trabalho remoto permitiram que as empresas ampliassem seus times sem a restrição de barreiras físicas. Para o setor de tecnologia, o impacto foi a diversificação das equipes formadas por profissionais de diferentes regiões e países.  Distribuídas em cidades e culturas diferentes, as pessoas ajudam a ampliar o olhar sobre os produtos, trazem conhecimentos de novos mercados e garantem a inovação.

Para as empresas, o desafio é manter os times conectados, engajados e dar voz a diferentes pontos de vista. A Tera, plataforma de educação online para profissões digitais, colocou em prática mudanças na gestão de pessoas para fomentar internamente a cultura voltada à inovação. Há um ano a edtech migrou 100% do time para o trabalho remoto e focou em recrutamentos intencionais para ampliar a diversidade racial na empresa. O home office e os horários flexíveis refletiram ainda na contratação de um maior número de pessoas de fora de São Paulo, onde ficava a sede da empresa, aumentando a diversidade regional e geográfica.

Hoje 70,7% do time é do Sudeste, porém, 43% desse total moram fora da capital paulista. Em segundo lugar vem a região nordeste com 17,1% dos colaboradores e, em terceiro, 2,7% é do Centro-Oeste.  Para Daniel Sousa, líder em Diversidade e Inclusão na Tera, a regionalização associada a processos seletivos com vagas afirmativas e uma estrutura corporativa que estimule a diversidade cognitiva impactam também nos produtos.

Segundo o líder em Diversidade, porém, um dos  desafios da regionalização é a adaptação da empresa a diferentes hábitos e culturas. Além disso, é importante que a empresa crie momentos de interação para fortalecer a comunicação e também inspirar grupos diversos. Na Tera, os colaboradores são treinados para a liderança inclusiva e também podem participar de grupos de mulheres, mulheres negras e pessoas LGBTQIA+.

Mais mulheres em cargos de liderança

Criada em Florianópolis (SC), a GeekHunter, startup de recrutamento de profissionais de tecnologia, assim como muitas empresas, tinha seu time 100% local e trabalhando presencialmente antes da pandemia. Com o modelo remoto e a adoção de práticas de gestão para ampliar a diversidade do time, a organização conseguiu aumentar a presença de mulheres ocupando cargos de liderança, pessoas não brancas e de outras regiões do país, além de conseguir preencher vagas que têm maior dificuldades de contratação, como na área de TI. Hoje, dos cerca de 70 colaboradores, mais de 50% são de fora de Santa Catarina e daqueles que são do estado, menos de 1/3 são da capital.

Segundo Karina Matheus dos Santos, coordenadora de People na GeekHunter, a diversidade dentro da empresa impacta no amadurecimento dos times e na capacidade de resolver problemas de forma ágil e eficaz. “Ao contratar pessoas de outras regiões, tivemos um ganho de maturidade muito grande, pois precisamos entender o que cada um estava dizendo, conhecer a realidade do outro. Quanto mais diversos somos, mais inovamos e somos capazes de resolver problemas. Isso é importante para entendermos algumas problemáticas que nossos clientes também podem vivenciar. Como resultado, temos um time engajado, que se entende mesmo com pensamentos diversos e que trazem saídas diferentes e com foco na resolução de problemas”, diz.

Integração entre times internacionais 

Com mais de 3.500 funcionários espalhados por diferentes países e continentes, a Manhattan Associates, multinacional líder no setor de tecnologia para a cadeia de suprimentos, aposta na diversidade para criar produtos que atendam diferentes necessidades e culturas. Com grandes clientes na carteira, como Riachuelo, Pão de Açúcar, Nike e C&A Modas, por exemplo, a empresa investiu em um quadro diversificado de colaboradores para garantir, por meio da inclusão, entregas mais assertivas.

Rachel Filipov é brasileira e trabalha em Atlanta, nos Estados Unidos, liderando as operações de marketing da Manhattan para as Américas. Neste ano, ela assumiu a posição de embaixadora da diversidade e inclusão para o time. “Agora, meu propósito vai além de influenciar escolhas e aumentar nosso pipeline. Estou trazendo para o trabalho em uma uma empresa global, com pessoas de várias nacionalidades, cores, religiões e histórias, uma missão pessoal que carrego há muito tempo, o que dá a esse propósito uma dimensão muito maior e uma base muito mais genuína”.

Para ela, o RH e as Comunicações Corporativas têm um papel importante no processo de aumentar a diversidade e garantir a inclusão dentro das empresas, mas as iniciativas devem partir de dentro dos times. “Vejo o movimento que a Manhattan faz do ponto de vista corporativo, e vejo o movimento que estamos fazendo dentro do nosso time. O fato de a nossa líder direta se importar com este assunto faz com que a gente se sinta acolhido e tenha espaço para viver a diversidade e a inclusão da forma mais genuína possível. Na Manhattan temos pessoas de diferentes origens e trabalhamos para garantir que a diversidade vá além do regional, trazendo pluralidade também em outros aspectos, como raça, gênero e religião, por exemplo”, comenta.

Na divisão de Agricultura da Hexagon, que desenvolve soluções digitais para o campo e a floresta, a diversidade regional começa nos espaços físicos, que são três: a matriz de  Florianópolis/SC, a filial de Ribeirão Preto/SP e o escritório internacional na Espanha. Além disso, alguns colaboradores trabalham de forma 100% remota de outros estados, como Bahia, Minas Gerais e Paraná. Para o gestor do projeto de RH estratégico da divisão, Luciano Campanha,  a diversidade cultural e a multiplicidade de competências têm um impacto positivo nos resultados, trazendo olhares diferentes para antigos problemas, além de novas técnicas de trabalho que são compartilhadas com a equipe no modelo de gestão ágil. “Isso oxigena a equipe e estimula a criatividade”, pontua.

Segundo Luciano, a empresa busca trabalhar os conceitos de diversidade e inclusão para ressaltar a importância do respeito às diferenças, além de estimular a escuta ativa entre as equipes. “Trabalhamos muito na Hexagon para construir uma cultura de feedback, reforçando sempre a importância de transmitir informações claras com o objetivo de melhorar ou corrigir algo que não esteja funcionando bem”, explica. Hoje, a divisão de Agricultura da Hexagon conta com 140 colaboradores. A nível global, a empresa atua em 50 países e possui cerca de 22 mil funcionários que desenvolvem soluções autônomas de sensores e softwares para diferentes setores.

Regionalização permite conhecer novos mercados e aumentar competitividade

Instalada em São José dos Campos, no interior do estado de São Paulo, a filial da empresa polonesa edrone reúne parte da operação brasileira, que está integrada ao time europeu, que conta com profissionais de diversos países. Especializada em desenvolver tecnologia de automação de marketing digital para e-commerce, a edrone possui mais de 150 colaboradores, dos quais 25 estão espalhados em diferentes regiões do Brasil.

“As diversidades regional e cultural facilitam a adaptação da tecnologia rapidamente. Também temos um modelo de gestão mais horizontal, onde as pessoas podem dar opiniões e sugestões em todos os níveis, com base em suas áreas de expertise e a realidade de suas regiões. Isso ajuda a identificar possíveis falhas, melhorar a comunicação e promover ajustes”, explica o country manager da edrone no Brasil, André Floriano.

Segundo ele, o fato de as pessoas trabalharem em diferentes lugares também ajuda a conhecer melhor os mercados. “O e-commerce muda conforme o comportamento dos consumidores. Quando comparamos a Polônia com o Brasil, por exemplo, percebemos diferenças como as pessoas compram e se comunicam com as empresas. Lá, por exemplo, o SMS é muito mais usado, enquanto aqui o Whatsapp predomina. Outra diferença que identificamos é o tamanho das listas de e-mail – como o Brasil é um país de dimensões continentais, as listas de e-mails das lojas virtuais brasileiras costumam ser maiores, e elas também enviam newsletters com maior frequência. Mesmo dentro do Brasil encontramos importantes diferenças regionais nos perfis de consumo, como datas comemorativas que são importantes em alguns lugares e irrelevantes em outros. Essa e outras diferenças permitem que a gente consiga compreender melhor as características das lojas virtuais e dos consumidores online em cada região, assim fomentando melhorias em nosso produto e garantindo o máximo aproveitamento em cada mercado”, completa Floriano.

Diversidade regional é aliada de empresa com solução pioneira no Brasil

spot_img
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa