Hoje é sexta-feira, 14 de junho de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
spot_img
InícioGERALMP obtém liminar que paralisa obra de Macrodrenagem no bairro Rio Vermelho

MP obtém liminar que paralisa obra de Macrodrenagem no bairro Rio Vermelho

Macrodrenagem no bairro Rio Vermelho gera impactos em parque estadual e havia sido autorizada pela Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram) apenas com dispensa de licenciamento ambiental. O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) já havia embargado a obra, mas o Município desconsiderou a ordem administrativa

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve uma medida liminar para paralisar imediatamente uma obra de macrodrenagem contratada pelo Município de Florianópolis sem o devido licenciamento ambiental. A obra, no bairro Rio Vermelho, já havia sido embargada pelo Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), mas continuava em andamento. 

A ação com o pedido liminar foi ajuizada pela 22ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital após apurar que a Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram) autorizou a obra por meio de uma declaração de atividade não constante, afirmando que a atividade do empreendimento não integrava a lista de atividades sujeitas ao licenciamento ambiental do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema). 

Ocorre que, como destaca o Promotor de Justiça Luiz Fernando Góes Ulysséa, para a realização de macrodrenagem, tal como consta no objeto do contrato pelo Município de Florianópolis com a empresa executora, é exigível o licenciamento ambiental, conforme a Resolução n. 98/2017 do Consema. Por conta da ausência de licenciamento ambiental para a atividade de macrodrenagem, o IMA lavrou um auto de infração ambiental e um termo de embargo, interdição ou suspensão, ficando “toda a atividade embargada até seu pleno licenciamento e regularização ambiental”. 

Porém, mesmo com a ordem de embargo administrativa, os serviços continuaram. Em uma nova vistoria, o IMA verificou que era “evidente o assoreamento da área, formando banco de areia e o estabelecimento de gramíneas exóticas (braquiária) e indícios de poluição” no final da macrodrenagem em execução, na zona de amortecimento do Parque Estadual do Rio Vermelho, em um trecho onde o rio se alarga em um banhado. 

O relatório técnico do IMA concluiu, ainda, que, para a regularização do licenciamento ambiental do empreendimento, devem ser implementadas medidas mitigadoras dos impactos gerados, bem como monitoramento, ações de contenção e revegetação dos taludes e instalação de filtro para reter resíduos e tratamento químico/biológico das águas da drenagem para não comprometer a qualidade do rio Vermelho. 

Diante dos fatos e das provas apresentadas pelo Ministério Público, o Juízo da 3ª Vara da Fazenda Pública da Comarca da Capital deferiu o pedido liminar. Além de determinar a suspensão imediata das obras de macrodrenagem no local enquanto não houver a regularização do licenciamento ambiental e da declaração de atividade não constante expedida pela Floram, a decisão exige a execução das medidas de mitigação necessárias apontadas no relatório do IMA. 

A desobediência ao comando judicial implica multa de R$ 100 mil, a ser revertida ao Fundo para Reconstituição de Bens Lesados do Estado de Santa Catarina. A decisão é passível de recurso.  

Ação Civil Pública n. 5053429-39.2024.8.24.0023 

spot_img
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa