Hoje é quinta-feira, 18 de abril de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
spot_img
InícioGERALEspecialista orienta cuidados com lanches na volta às aulas

Especialista orienta cuidados com lanches na volta às aulas

A especialista direciona "priorizar o consumo de frutas frescas, desidratadas ou liofilizadas em vez de sucos – mesmo que sejam sucos naturais ou nas versões integrais" e explica que comer a fruta é melhor que tomar o suco porque estimula a mastigação e mantém as fibras, o que promove maior saciedade

Com o retorno das aulas, montar a lancheira de crianças e adolescentes passa a ser parte da rotina dos pais e responsáveis novamente. Para os nutricionistas, esse cuidado com a alimentação infantil é essencial para evitar o consumo de ultraprocessados e de alimentos com altos teores de açúcar adicionado e gordura saturada, fatores associados ao sobrepeso e doenças cardiovasculares, presentes nos produtos que costumam estar disponíveis nas cantinas, como biscoitos e salgadinhos.

Segundo dados da última Pesquisa de Orçamentos Familiares, publicada pelo IBGE em 2020, alimentos ultraprocessados fornecem, em média, cerca de 27% do total de calorias diárias dos jovens brasileiros. O levantamento apontou que esses consomem o dobro de sanduíches, quatro vezes mais pizzas, nove vezes mais bebidas lácteas e 20 vezes mais salgadinhos que a população idosa, enquanto a frequência de consumo de frutas, verduras e legumes é menor entre adolescentes do que entre adultos e idosos, exceto para açaí e batata inglesa.

Para ajudar a equilibrar este quadro, a docente do curso de Nutrição da Estácio, Eva Andrade, oferece algumas orientações para o preparo do lanche escolar. A especialista direciona “priorizar o consumo de frutas frescas, desidratadas ou liofilizadas em vez de sucos – mesmo que sejam sucos naturais ou nas versões integrais” e explica que comer a fruta é melhor que tomar o suco porque estimula a mastigação e mantém as fibras, o que promove maior saciedade.

“Entre os pães, as torradas e os biscoitos, a orientação é optar pelas versões feitas a partir das farinhas integrais e dos farelos. Uma alternativa aos salgadinhos de pacote – que são alimentos ultraprocessados, com alto teor de sódio – é a pipoca, preferencialmente aquela feita em casa e com o mínimo de óleo”, sugere Eva.

A nutricionista destaca ainda que o ideal é priorizar o consumo de alimentos in natura, mas quando for preciso optar por produtos prontos, observar o rótulo ajuda a fazer boas escolhas nutricionais.

“Além da tabela nutricional, a lista de ingredientes os mostra sempre em ordem decrescente. Portanto, o primeiro ingrediente é o que está presente em maior quantidade, enquanto o último está em menor quantidade. Como exemplo, alguns achocolatados em pó que tem o açúcar na base da sua composição”, exemplifica. Outro ponto é avaliar a presença de aditivos alimentares, como aromatizantes, corantes, conservantes e estabilizantes e privilegiar uma lista de ingredientes mais enxuta nessas substâncias.

Por fim, a docente de Nutrição sugere estimular a participação da criança no preparo dos alimentos e na montagem das combinações que irão compor a lancheira.

“Isso cria autonomia e senso de responsabilidade, o que desperta o interesse por novos alimentos, incentivando-a a ampliar seu repertório de sabores e texturas e permitindo estabelecer uma maior conexão e um maior conhecimento sobre aquilo que ela come”, afirma.

spot_img
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa