Hoje é quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
InícioGERALObras da nova Estação de Tratamento de Efluentes de Potecas avançam em...

Obras da nova Estação de Tratamento de Efluentes de Potecas avançam em São José

Comitiva liderada pelo prefeito Orvino vistoriou a obra considerada a maior estação de tratamento de esgoto do Estado

Publicidadespot_img

Nesta quinta-feira (11), o prefeito Orvino Coelho de Ávila liderou uma comitiva da Prefeitura de São José para vistoriar os avanços das obras da nova Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) de Potecas, acompanhado pelo vice-prefeito Michel Schlemper, secretários e vereadores.

Durante a visita, o diretor de Operação da Casan, Joel Horstmann, apresentou um balanço das obras, com destaque para a segunda concretagem da laje de fundo do tanque de aeração, programada para ser concluída esta semana. A nova ETE, com investimento de R$ 250 milhões, substituirá as lagoas de decantação por uma moderna planta de tratamento, tornando-se a maior unidade do segmento em Santa Catarina.

Horstmann detalhou o andamento da construção dos tanques de decantação, da casa de sopradores de ar, do laboratório e da guarita. Ressaltou que a obra se divide em diversas fases concentradas.

O prefeito destacou a importância de acompanhar as obras, ressaltando a dívida histórica da Casan com o município. A conclusão da ETE, prevista inicialmente para maio de 2024, foi adiada para dezembro do mesmo ano.

Edson Moritz, presidente da Casan, expressou confiança na aceleração do processo de construção, assegurando recursos. Ficou acordado com o prefeito realizar uma solenidade daqui a dois meses para convidar a população a testemunhar o progresso quando as paredes dos tanques estiverem erguidas. “A Casan valoriza a participação da comunidade nesse acompanhamento”, disse o presidente. Para ele, o encontro com a prefeitura de São José foi destacado como positivo. 

Por fim, o prefeito Orvino enfatizou o avanço na obra, agradecendo o esforço do presidente Moritz na garantia de recursos em conta específica e conclusão do processo licitatório dos equipamentos. Destacou a parceria com a Casan e prometeu manter a população informada em futuros encontros. “Estamos vendo um avanço considerável na obra. É crucial que a população de São José saiba disso, pois estamos comprometidos com o desenvolvimento da região”.

Sobre a nova ETE

A estrutura quando concluída, terá capacidade de vazão média, na primeira etapa, de 600 L/s, cerca de 42% a mais do que a capacidade atual de 423 L/s. Na segunda etapa, serão 800 L/s. A unidade foi dimensionada considerando uma população de 328.494 habitantes para a primeira etapa do projeto e 437.992 habitantes na segunda etapa.

A Estação de Tratamento de Esgotos de Potecas foi construída na década de 80 e opera com o processo de tratamento por lagoas de estabilização. Quando a nova ETE estiver concluída, o tratamento passará a ser feito com sistema de lodos ativados por aeração prolongada, com nitrificação e desnitrificação simultânea, controle de odor e remoção complementar de fósforo.

A obra vai permitir a desativação das lagoas de estabilização, medida que vai trazer muito mais qualidade de vida para a população. O planejamento prevê que o local onde hoje existem as lagoas passe por recuperação ambiental, dando lugar a um parque urbano, com áreas de lazer e prática de esportes. “Essa obra é um compromisso pessoal, como cidadão e como legislador de São José. Sei da reivindicação histórica da população para retirar o mau cheiro desta região, as pessoas não devem passar por esse perrengue”, enfatizou Orvino.

O prefeito também salienta que se sente angustiado porque quer que a obra seja concluída o mais rápido possível, mas na sua avaliação está dentro do cronograma, mesmo com atrasos. Sobre o que será feito com a atual estação, ele diz que a ideia é construir um parque ambiental. “A gente tem que dar um passo por vez, a ideia é essa, a região de Potecas vai crescer e as lagoas representam uma fratura exposta numa região em franco desenvolvimento, não há outra área para cidade crescer, além do problema do transtorno que elas causam. Não é fácil respirar o ar que sai das lagoas”.

ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa