Hoje é quarta-feira, 19 de junho de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
InícioGERALPrefeitura de São José recomenda cuidados com manipulação de alimentos nos estabelecimentos

Prefeitura de São José recomenda cuidados com manipulação de alimentos nos estabelecimentos

A Vigilância Sanitária recebeu no ano passado 102 denúncias, destas, 17 locais foram considerados de alto risco a saúde e receberam interdição

A Prefeitura de São José, por meio da Vigilância Sanitária (VISA) e Epidemiológica (VIEP), se mantém atenta quando o assunto é manipulação de alimentos e cuidados com a saúde dos josefenses. O Município pede que os estabelecimentos alimentícios estejam de acordo com o decreto Estadual [nº 31455/1987], que dispõe sobre alimentos e bebidas.

Em 2022, a Vigilância Sanitária Municipal (VISA) atendeu presencialmente 102 denúncias com relatos de condições inadequadas de estabelecimentos alimentícios. Destes, 17 locais foram considerados de alto risco a saúde, tendo que ser interditados.

Existem quatro canais para o munícipe realizar formalmente a denúncia: Ouvidoria da Saúde no telefone 08006459889; Ouvidoria Geral no número 08006449040; whatsapp da VISA (48) 985090014 ou enviadas de outros órgãos por ofício e posteriormente são encaminhadas para a Diretoria da VISA.

Após as denúncias formalizadas, serão distribuídas para os fiscais do setor de alimentos, que farão a inspeção sanitária. Durante a vistoria é observado os pontos reclamados pelo cidadão e se necessário, serão tomadas as providências de acordo com a legislação sanitária.

ALIMENTOS NO VERÃO

A Vigilância Sanitária também investiga Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar  (DTHA) junto a VIEP além das coletas de alimentos como saladas e sushis, para o cumprimento do Programa Estadual de Monitoramento da Qualidade Sanitária de Alimentos Verão. Nesta estação é necessário reforçar os cuidados com a manipulação dos alimentos, pois procedimentos incorretos podem causar doenças de transmissão hídrica e alimentar, que atuam como veículo para a transmissão de organismos prejudiciais à saúde ou substâncias tóxicas.

As DTHA podem se manifestar de duas maneiras, como intoxicação alimentar, quando a pessoa se alimenta de comidas com substâncias tóxicas ou toxinfecção, causada por alimentos com organismos que liberam substâncias tóxicas. Os sintomas mais comuns são vômitos, diarréias, dores abdominais, dor de cabeça, febre, alteração da visão, olhos inchados, dentre outros.

BOAS PRÁTICAS

Para evitar o transtorno, os estabelecimentos devem atender às boas práticas indicadas pela resolução RDC 216/2004 e tomar os cuidados básicos, exemplo: as áreas para manusear os alimentos devem ser limpas; o profissional deve manter as mãos limpas, usando sabão antisséptico e secá-las com toalhas descartáveis; manter o uniforme limpo e prender os cabelos; armazenar bem os alimentos e nos pontos frios manter a 5 graus celsius, entre outras recomendações confira o site da prefeitura na aba inferior, opção “autoinspeção”.

CASOS DE GASTROENTERITES

O mês de janeiro se apresentou atípico quanto a manifestação de gastroenterites (diarréia, náusea, vômito, dores abdominais e em alguns casos, febre), principalmente no litoral. Segundo a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está acontecendo uma circulação de norovírus. A pesquisa foi realizada em Florianópolis, mas há de se considerar a proximidade dos municípios. Dados epidemiológicos revelam que no mês de dezembro de 2022 a média de atendimentos de gastrointerites em São José era de 15 pacientes ao dia. Em janeiro o número passou a aproximadamente 130 por dia.

A Vigilância Epidemiológica de São José orienta que a população lave bem as mãos com água e sabão frequentemente, principalmente antes e de comer ou manusear alimentos; lavar frutas e verduras antes de consumir; evitar compartilhar alimentos, talheres, pratos ou copos com um infectado; manter a cozinha e superfícies de trabalho limpas; Caso esteja doente, evite preparar alimentos para outras pessoas e manter uma boa higiene pessoal.

“O norovírs é altamente contagioso e pode ser transmitido facilmente de uma pessoa para outra, então é importante tomar medidas para proteger a si mesmo e aos outros”, esclarece a diretora de Vigilância Epidemiológica Katheri Zamprogna.

spot_img
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa