Hoje é terça-feira, 23 de julho de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
InícioGERALTheatro Adolpho Mello será set de gravações de série bilíngue catarinense

Theatro Adolpho Mello será set de gravações de série bilíngue catarinense

"Crisálida" que já teve filme exibido no programa "Cinema nos Bairros" retrata o cotidiano de pessoas surdas

O Theatro Adolpho Mello, patrimônio histórico do Município, será set de filmagem para a primeira série bilíngue, com o uso de Língua Brasileira de Sinais (Libras), do Estado de Santa Catarina. A produção Crisálida retrata em cada episódio um núcleo diferente de pessoas surdas, os desafios e as situações familiares, sociais e psicológicas. O filme marcou ano passado a estreia do projeto “Cinema nos Bairros”.

A série está na segunda temporada. E um dos núcleos da trama é a família de músicos de Andreia, uma personagem que não aceita a própria surdez, considerado um tema polêmico entre a comunidade surda. As cenas nas quais a moça presencia a apresentação do irmão violinista são ambientadas no Theatro Adolpho Mello,. Na produção, ,o Theatro recebe a introdução histórica e serpa palco de cena impactante, no episódio quatro. A personagem é interpretada por Dayane Cristina Gomes, que, na vida real, também possui surdez, um requisito para todo o elenco, pois a produção tem o compromisso em promover a pessoa surda.

Dayana conta que já teve a experiência em produções cinematográficas, mas o Crisálida teve um peso fundamental na trajetória dela. “O Crisálida foi revolucionário para mim enquanto pessoa surda; a minha personagem é uma moça rica que estuda, e tem o desejo de ouvir; é uma história forte que mudou a minha vida enquanto pessoa surda”, afirma a atriz.

O Crisálida tem dois produtos em circulação. A série estreou a primeira temporada em  26 de outubro de 2019 na TV Cultura. Logo depois, entrou para o catálogo da Netflix Brasil e de Portugal em 1º de maio de 2020. Após a repercussão, foi produzido um filme com o compilado da primeira produção. A segunda temporada, contemplada com o Prêmio Catarinense de Cinema 2019, estreia este ano.

“O projeto Crisálida surgiu para valorizar a cultura surda, mostrar que a libras é uma língua que pode ser difundida, para mudar a percepção tanto do Universo dos surdos, quanto das pessoas que convivem com a surdez. É um produto para para surdos e ouvintes assistirem no mesmo sofá”, explica a autora da série Alessandra da Rosa Pinho.

HISTÓRIA THEATRO ADOLPHO MELLO

O Theatro Adolpho Mello é o primeiro do gênero fundado no Estado de Santa Catarina e o terceiro existente no país. Foi criado em 1854, mas as atividades só iniciaram em 21 de junho de 1856, mesmo dia em que São José era elevada à categoria de cidade. A estrutura tem a capacidade para 150 espectadores, com uma área de 343 metros quadrados.

Escrito com “TH” para manter a escrita fidedigna, a estrutura passou por reformas a partir de 1924, ganhando um formato neoclássico, recebendo espetáculos de danças, lutas, como também outros dois cinemas passariam pelo local. O Cine York (1925-1937), e o Cine Rajá (1948-1979). E assim, com pouco mais de 120 anos após sua inauguração, o cinema chega ao fim no teatro, quando a Prefeitura passa a administrar o prédio.

Em 2005, foi tombado pelo Município como patrimônio cultural de São José. Em 2013 foi interditado, ganhando novos adereços como climatização, iluminação e normas de acessibilidade. O prédio foi reaberto em 23 de dezembro de 2020, palco de manifestações culturais como o Projeto Arte e Cultura Por Toda São José (PAC). Na reabertura Gilberto Gerlach, uma figura emblemática para a história do Município renomeou o Theatro para “Adolpho Mello”, violinista, compositor e regente Adolpho Ferreira Mello, conterrâneo nascido na década de 60, que além da arte também teve passagem política atuando como tesoureiro-geral de Santa Catarina e diretor do Conselho Municipal de Desterro.

O violinista deixou precursores da arte, como é o caso de seu bisneto Sérgio Melo, apelidado carinhosamente por “Serginho Melo”. Atualmente envolvido na produção da série “Crisálida” como diretor do elenco, comenta a emoção em poder mencionar na trama a história de seu ancestral.

“Estamos trazendo nos textos um pouco sobre a história do teatro, a pessoa do Adolpho Mello, algo importante tanto para mim, quanto para a cultura do Estado. Como o irmão da personagem Andrea é violinista, a gente trouxe uma parte que pra mim é muito importante, porque eu sou bisneto do Adolpho Mello, esse teatro faz parte da minha família”, explica Serginho.

CINEMA NOS BAIRROS

Não é de hoje que a Cultura do Município estreitou os laços com a produção “Crisálida”. Considerada uma pauta importante para difundir na cidade, o filme foi exibido no projeto piloto “Cinema nos bairros”, da Prefeitura de São José, executado pela Secretaria de Cultura e Turismo, que tem como objetivo fomentar as produções catarinenses à população josefense.

No ano passado, o projeto piloto foi exibido no Parque Linear Lisboa e na Fazenda Santo Antônio. De acordo com a secretária de Cultura e Turismo, Gilmara Vieira Bastos, participar enquanto Prefeitura e Secretaria de Cultura dessa produção é motivo de comemoração

“O nosso projeto ‘cinema nos bairros’ iniciou exibindo o filme Crisálida e atualmente, para a nossa surpresa, ganhou uma das cenas da segunda temporada no Theatro Adolpho Melo. Tal tema está sendo tratado hoje, o cotidiano dos surdos, por meio do cinema reforça que a cultura faz parte dessa transformação”, declara.  A expectativa é que o projeto piloto retorne a partir de julho deste ano nos bairros de São José.

spot_img
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa