Hoje é sábado, 24 de fevereiro de 2024
Coluna da UNIMED
Coluna da AMPE
Coluna do Adriano
Publicações Legais
spot_img
InícioSEGURANÇAMulher é condenada a oito anos por matar marido com equipamento de...

Mulher é condenada a oito anos por matar marido com equipamento de academia

Depois de 20 horas de Júri, Tânia Zapelline Ribeiro foi condenada por homicídio duplamente qualificado. Em 2019 ela matou o marido com um golpe de halter de academia, e ainda, cortou o punho direito e o pescoço da vítima com uma faca

Publicidadespot_img

Foi na madrugada de quarta-feira (18/10) que Tribunal do Júri da Comarca da Capital condenou Tânia Zapelline Ribeiro a oito anos de reclusão pela morte do marido Silvio Gomes Ribeiro. Depois de mais de 20 horas de júri, a mulher foi condenada pelo crime de homicídio duplamente qualificado por ter sido praticado de forma a dificultar a defesa da vítima.

O crime aconteceu em maio de 2019, na casa da vítima, no bairro Estreito, em Florianópolis. Na ação penal, apresentada pela 37ª Promotoria de Justiça da Capital, consta que Tânia golpeou o marido com um halter de academia, causando traumatismo crânioencefálico. Na sequência, não satisfeita, cortou com uma faca o punho direito e o pescoço da vítima.

Mesmo confessado ter cometido o assassinato, Tânia foi absolvida em agosto de 2021, mas o júri acabou anulado pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) em 4 de agosto de 2022. O Ministério Público de Santa Catarina apresentou recurso e a mulher retornou nesta terça-feira ao banco dos réus.

“Respeitamos o sentimento da ré, mas não a forma como ela reagiu. Tal brutalidade do crime, demonstrou a irrelevância com a vida alheia”, sustentou o Promotor de Justiça Thiago Carriço de Oliveira

Como aguardou este julgamento em liberdade, a ré poderá recorrer da decisão nesta situação. Atuou na defesa da ré, o advogado Cláudio Dalledone, conhecido por trabalhar em casos de grande repercussão como o do goleiro Bruno.

Silvio Ribeiro era Coronel da PMSC e encerrou a carreira em 2014, quando era o comandante do 21º Batalhão, no Norte da Ilha. Ele era pai de cinco filhos e trabalhou por mais de 30 anos na Polícia Militar catarinense.
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img
Publicidadespot_img

Últimas do Informe Floripa